Publicidade
Copa 2018

Desconfiada, agência dos EUA quer mais testes antidoping em seleção russa

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A seleção russa conquistou duas vitórias em dois jogos pela Copa do Mundo de 2018. E o desempenho dos donos da casa no torneio chamou a atenção não apenas de torcedores e adversários, mas também de autoridades internacionais.

Em declarações publicadas pelo jornal inglês The Telegraph, o diretor-executivo da Usada (Agência Antidoping dos Estados Unidos), Travis Tygart, pediu para que os russos sejam “agressivamente testados” para assegurar a confiança do público durante a competição.

“Performances extraordinárias exigem testes adicionais”, disse Tygart. Segundo ele, “regras internacionais” estipulam que melhoras repentinas de desempenho sejam investigadas.

Os russos abriram a Copa de 2018 com uma vitória por 5 a 0 sobre a Arábia Saudita. Depois, pela segunda rodada do Grupo A, fizeram 3 a 1 sobre o Egito. Na segunda-feira (25), os donos da casa enfrentam o Uruguai, em jogo de duas seleções já classificadas.

Antes da competição, a Fifa já vinha sendo pressionada para realizar um maior controle sobre as seleções da Copa do Mundo, especialmente sobre os russos. A entidade máxima do futebol mundial afirmou ao jornal inglês que a seleção russa é “um dos times mais testados” durante o torneio.

A Fifa não deu detalhes, porém, a respeito de quantidade, datas e locais de testes realizados. Mas para Travis Tygart, a exigência é favorável até mesmo para que os jogadores russos atestem a qualidade de seus resultados.

"Acho que os atletas merecem ter um sistema em ação que proteja-os e, quando perguntas inevitáveis vierem, corrobore quando eles disserem: ‘Eu tenho um programa de alto padrão em meu país, e ele me dá a prova de que mantenho um alto padrão, então você não apenas vai me ouvir dizer que eu estou limpo, mas também vai confiar que eu estou limpo’”, disse o dirigente norte-americano. “Infelizmente, há países –obviamente a Rússia, onde isso foi exposto– onde este não é o caso.”

As declarações de Tygart foram recebidas com revolta na seleção russa. À imprensa local, Eduard Bezuglov, médico da equipe, afirmou que os jogadores foram testados mais de 120 vezes pela Fifa e mais de 200 vezes pela Uefa e pela Agência Russa Antidoping (Rusada).

"Eu aposto uma garrafa de leite desnatado que esses números são pelo menos duas vezes maiores que os de testes realizados por jogadores da Inglaterra", desafiou. "Nós também gostaríamos de saber quantos exames os ingleses realizaram, porque a Fifa nunca responde a estas perguntas."

DESTAQUES DOS EDITORES