Publicidade
Sem ocupação

Desemprego de longo prazo cresce 188% no Paraná

(Foto: Franklin de Freitas)

O número de paranaenses que procuram trabalho há pelo menos dois anos chegou a 124 mil no primeiro trimeste de 2019, revelam dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número de desempregados de longo prazo no Paraná é 188,4% maior do que o verificado no mesmo período de 2015, primeiro ano da recente recessão da economia brasileira, quando 43 mil trabalhadores estavam nessa situação.

Um estudo analítico divulgado ontem pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), inclusive, revela que o crescimento desse contingente de trabalhadores é mais acelerado no Paraná do que no restante do país. No Brasil, o número de desempregados de longo prazo cresceu 42,4% nesses quatro anos, chegando a 3,3 milhões de pessoas no primeiro trimeste deste ano.

Segundo Maria Andréia Parente Lameiras, técnica de planejamento e pesquisadora do Ipea e uma das responsáveis pelo estudo citado, o mercado de trabalho apresenta “o pior retrato” da crise econômica que assola o país, afetando mais os trabalhadores menos escolarizados e as famílias de menor renda - o que implica num crescimento da desigualdade social com a qual o país convive.

“Estamos com o mercado de trabalho ainda muito deteriorado, embora nos últimos meses a gente veja alguma reação. Mas a crise tem dificultado a geração mais forte de postos de trabalho”, afirmou. “Além de reagir depois da economia como um todo, a reação (do mercado de trabalho) costuma ser muito lenta no começo”.

No caso paranaense, inclusive, praticamente um em cada quatro trabalhadores desocupados (23,1% dos 536 mil desempregados) estão há mais de dois anos buscando recolocação no mercado de trabalho. Em números absolutos, apenas Maranhão (138 mil pessoas), Pernambuco (258 mil), Bahia (351 mil), Rio de Janeiro (528 mil) e São Paulo (788 mil) apresentam um contingente de desempregados de longo prazo maior que o Paraná.

Além disso, os pesquisadores do Ipea também mostrar que o número de desempregados que procuram trabalho há pelo menos dois anos cresce mais rápido entre os jovens. Mas ainda é na faixa etária de 40 anos ou mais que estão 27,3% dos desempregados nessa situação.

A avaliação do Ipea é de que a recuperação do mercado de trabalho vem ocorrendo de forma gradual e só poderá atingir patamares mais expressivos no ano que vem, o que está condicionado à velocidade de tramitação e à aprovação da Reforma da Previdência no Congresso Nacional. Maria Andreia prevê que uma tramitação mais rápida pode elevar a confiança do mercado e produzir efeitos para o início de 2020, e uma aprovação mais demorada pode adiar a recuperação para o segundo semestre do ano que vem.

“Neste momento tudo está condicionado à aprovação da reforma e a que reforma será aprovada. O timing da reforma é fundamental.”

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES