Publicidade
Libertadores

Em jogo de três pênaltis, Athletico perde na altitude, mas garante classificação

Marco Ruben disputa lance com o Jorge Wilstermann
Marco Ruben disputa lance com o Jorge Wilstermann (Foto: Divulgação/Athletico.com.br/Miguel Locatelli)

O Athletico Paranaense perdeu por 3 a 2 para o Jorge Wilstermann, nessa quarta-feira (dia 24) à noite, no Estádio Félix Capriles, na altitude de 2.500 de Cochabamba, em partida pela quinta rodada da fase de grupos da Copa Libertadores 2019. Com o resultado, o time brasileiro seguiu na liderança do Grupo G, com nove pontos, e garantiu a classificação para as oitavas de final por antecipação. Também nesta quarta-feira, Tolima e Boca Juniors empataram em 2 a 2, na Colômbia. Na sexta e última rodada do Grupo, em 9 de maio, o Furacão pega o Boca na Bombonera.

O clube paranaense segue sem vencer na altitude em competições oficiais. Nas seis partidas nessas condições, foram cinco derrotas e um empate.

O resultado ampliou a invencibilidade do Wilstermann, que não perde em casa pela Libertadores desde 2011. A última derrota foi em 16 de março, por 4 a 1, para o Internacional. Depois daquela partida, o time boliviano recebeu 11 adversários em Cochabamba, somando 8 vitórias e 3 empates.

ARTILHEIRO
O centroavante Marco Ruben fez mais um e chegou a cinco gols em cinco jogos pelo Athletico na Libertadores. Ele é o vice-artilheiro geral da competição em 2019, atrás apenas de Adrián Martínez, do Libertad, que tem seis gols em oito partidas.

Em toda história, Marco Ruben aparece entre os 70 maiores artilheiros da Libertadores, com 16 gols em 24 jogos. Nessa lista, ele está empatado com Zico (16 gols em 20 jogos) e Jardel (16 em 21).

TÉCNICO
Tiago Nunes soma agora 24 vitórias, 9 empates e 9 derrotas no comando do time principal do Atlético.

ADVERSÁRIO
Em sexto lugar no campeonato nacional, o Wilstermann decidiu demitir o técnico espanhol Miguel Angel Portugal no último domingo. Nessa quarta-feira, o time foi comandado pelo argentino Norberto Kekes.

ESCALAÇÃO
O Athletico não tinha o zagueiro Thiago Heleno, que não viajou à Bolívia por uma “limitação fisiológica”. Outros desfalques foram o volante/meia Lucho González e o lateral-direito Madson, ambos com lesões musculares. Paulo André entrou na zaga e Léo Cittadini ficou com a vaga de Lucho.

Tiago Nunes usou o esquema tático 4-1-4-1 adotado desde o início de 2019, com Camacho como volante. A linha de quatro tinha Nikão (direita), Rony (esquerda), Bruno Guimarães (centro) e Cittadini (centro). Em momentos estratégicos, o time variou para o 4-2-3-1, com Cittadini avançando para a linha de três, junto com Nikão e Rony.

PRIMEIRO TEMPO
O Wilstermann marcou mal e cedeu muitos espaços na marcação. O Athletico aproveitou para povoar a área adversária e para abusar dos cruzamentos e lançamentos. O time paranaense só não abriu o placar porque errou demais nos momentos decisivos. Até o argentino Marco Ruben perdeu chance incrível, livre na cara do gol, logo aos 3 minutos. Se marcava mal, a equipe boliviana era perigosa com a bola. O ponta brasileiro Serginho levou a melhor no duelo contra Jonathan e incomodou. O Wilstermann abriu o placar aos 22, após escanteio de Serginho e chutou de Pedriel. O empate atleticano veio aos 39, em chute de longa distância de Renan Lodi. Ballivián tentou cortar e 'matou' o goleiro.

SEGUNDO TEMPO
Já aos 5 minutos, Serginho finalizou de cabeça e a bola tocou no braço de Jonathan. Pênalti. Ortíz cobrou e fez 2 a 1 para o Wilstermann. O empate veio já aos 11, em pênalti sofrido por Renan Lodi e convertido por Marco Ruben. O ritmo do jogo reduziu. Aos 22, saiu Rony e entrou o ponta Marcelo Cirino. O Athletico seguiu com espaços para construir e facilidade para entrar na área adversária, mas errando em lances decisivos. Aos 35, saiu Cittadini e entrou o meia Tomás Andrade. O jogo parecia controlado, mas o Wilstermann conseguiu mais um pênalti aos 41. Ortíz chutou e a bola bateu no braço de Paulo André. Carlos Melgar cobrou e converteu: 3 a 2. O atacante Braian Romero entrou no jogo aos 43, no lugar de Camacho.

ESTATÍSTICAS
Em 90 minutos, o Athletico somou 12 finalizações (2 certas), 67% de posse de bola, 82% de eficiência nos passes e 8 escanteios. O Wilstermann arrematou 21 vezes (6 certas) e teve 33% de posse de bola, 69% de eficiência nos passes e 8 escanteios. Os dados são do SofaScore.

J.WILSTERMANN 3 x 2 ATHLETICO
Wilstermann: Arnaldo Giménez; Ballivián, Reyes, Montero e Aponte; Saucedo e Jorge Ortiz; Cristian Chávez (Carlos Melgar), Serginho e Gilbert Álvarez (Miranda); Ricardo Pedriel (Melean). Técnico: Norberto Kekes
Athletico: Santos; Jonathan, Paulo André, Léo Pereira e Renan Lodi; Camacho (Braian Romero); Bruno Guimarães, Léo Cittadini (Tomás Andrade), Nikão e Rony (Marcelo Cirino); Marco Ruben. Técnico: Tiago Nunes
Gols: Pedriel (22-1º), Renan Lodi (39-1º), Ortíz (5-2º), Marco Ruben (11-2º) e Carlos Melgar (42-2º)
Cartões amarelos: Bruno Guimarães e Paulo André.
Árbitro: Mario Díaz de Vivar (Paraguai)
LocaL: Estádio Félix Capriles, em Cochabamba, na Bolívia

PRINCIPAIS LANCES
Primeiro tempo
3 – Falta na direita. Nikão cruza. Marco Ruben entra livre na área e cabeceia para fora, ao lado do gol.
5 – Bruno Guimarães cruza da direita. Montero tira antes que Cittadini finalize na pequena área.
7 – Serginho passa por Camacho, invade a área, dribla Jonathan e se atrapalha na hora de definir.
21 – Serginho chuta da meia-lua e Santos espalma no canto.
22 – Gol do Wilstermann. Escanteio. Serginho cruza. Marco Ruben desvia. A bola sobra para Pedriel, livre na área. Ele chuta e Santos aceita.
24 – Nikão recebe lançamento e fica livre com o goleiro. Ele se atrapalha e perde boa chance.
29 – Chavez recebe na área e chuta perto, sobre o gol.
39 – Gol do Athletico. Renan Lodi chuta de longe. Ballivian tenta cortar de cabeça e desvia, matando o goleiro.

Segundo tempo
4 – Saucedo cruza. Serginho cabeceia. A bola bate no braço de Jonathan. Pênalti.
5 – Gol do Wilstermann. Ortíz cobra o pênalti à esquerda de Santos, que cai para a direita.
10 – Renan Lodi recebe na áea e é derrubado por Montero. Pênalti.
11 – Gol do Athletico. Marco Ruben cobra à esquerda do goleiro, que cai para o outro lado.
14 – Nikão cruza e Lodi ajeita para Ruben, na pequena área. Sem ângulo, o argentino chuta para fora.
23 – Serginho cruza. Alvarez ajeita de cabeça. Santos tira.
27 – Bruno Guimarães faz belo lançamento. Cirino recebe nas costas da defesa, mas não consegue passar pelo goleiro.
35 – Ballivián cruza da direita. Pedriel cabeceia ao lado do gol.
41 - Ortíz chuta e a bola bate no braço de Paulo André. Pênalti.
42 – Gol do Wilstermann. Carlos Melgar cobra o pênalti à esquerda do goleiro, que não alcança.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES