Publicidade
Exterior

Em sessão tumultuada, comitê aprova indicação de juiz à Suprema Corte

Em sessão tumultuada, comitê aprova indicação de juiz à Suprema Corte
Decisão do Comitê Judiciário do Senado foi apertada (Foto: Reprodução/TV)

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - Por 11 votos a 10, o Comitê do Judiciário do Senado americano aprovou nesta sexta-feira (28) a indicação de Brett Kavanaugh para a Suprema Corte.

Membros do comitê, no entanto, ainda debatem uma moção para que a votação pelo plenário do Senado seja adiada, a fim de que acusações de abuso sexual contra o juiz sejam apuradas pelo FBI. No plenário, ele precisa receber ao menos 50 votos (a casa tem 51 republicanos).

Na quinta, a comissão ouviu depoimentos de Christine Blasey Ford, que acusa o juiz de tê-la atacado sexualmente na década de 1980, e do próprio magistrado.

Ela disse ter 100% de certeza de que ele foi o autor do ataque, e ele negou, de forma agressiva, todas as acusações que pesam contra ele —outras duas mulheres o acusam de algum tipo de delito sexual.

Foi uma sessão tumultuada. Pouco após o presidente da comissão, Chuck Grassley, abrir a sessão, o senador democrata Richard Blumenthal pediu para que o processo fosse adiado para que Mark Judge, que estaria presente no quarto onde o ataque sexual ocorreu, fosse ouvido.

Grassley, então, leu uma carta escrita por Judge, na qual diz que não se lembra dos eventos descritos pela vítima e que nunca viu Kavanaugh ter comportamentos como os relatados pela professora.

Houve uma votação para saber se a testemunha deveria ser intimada a depor. Por 11 votos a 10, os republicanos conseguiram impedir que a demanda fosse adiante.

Dando continuidade à sessão, Grassley afirmou que achou o depoimento de Ford verossímil, mas o de Kavanaugh, também.

"Simplesmente não há razão para negar a Kavanaugh um lugar na Suprema Corte", disse, acrescentando que três testemunhas refutaram a versão da professora.

Integrante mais antiga do comitê, a senadora democrata Dianne Feinstein acusou Kavanaugh de ter usado "tanta retórica política" quanto seus colegas republicanos e sido "agressivo e beligerante". Segundo ela, ele não mostrou um "temperamento imparcial" que seria esperado de um juiz.

Uma parte dos senadores democratas decidiu sair da sessão e falar com a imprensa do lado de fora. A senadora Kamala Harris escreveu em uma rede social que a audiência era uma "farsa" e que "a Dra. Ford e o povo americano merecem melhor".

No fim da manhã, o senador Cory Brooker também se retirou da sala, dizendo que não poderia participar do que entraria para a história como "um momento sombrio."

Os discursos dos senadores republicanos se concentraram na defesa de Kavanaugh, em críticas a democratas e na continuidade de seu processo de nomeação. Já os democratas defenderam Ford e criticaram o fato de o FBI não ter investigado as suas alegações.

O republicano Jeff Flake, que também não estava com posição definida, disse na manhã que votaria pela confirmação do juiz —e foi confrontado por duas mulheres no elevador enquanto seguia para a audiência.

Uma das mulheres disse que havia sido atacada sexualmente e que a mensagem que ele passa para as mulheres do país é de que elas "não importam". Ele manteve uma postura cabisbaixa e se limitou a dizer "sinto muito".

Três mulheres já acusaram Kavanaugh de algum tipo de delito sexual, o que tem levado a um atraso no processo de nomeação para a Suprema Corte. Ele é o segundo nome indicado por Trump para o órgão --o primeiro foi Neil Gorsuch, conservador moderado.

Um grupo de manifestantes contra Kavanaugh, que gritavam "nós acreditamos na Christine", foi detido no Senado. Durante as audiências da quinta (27), cerca de 60 pessoas foram presas enquanto bloqueavam uma rua em Washington.

Em Nova York, um grupo de 30 pessoas também protestou contra o juiz Brett Kavanaugh em frente ao número 780 da terceira avenida. No prédio estão localizados os escritórios dos senadores Charles Schumer e Kirsten Gillibrand, ambos democratas que se opõe à indicação.

Eles seguravam cartazes com frases de apoio às supostas vítimas de abuso sexual cometido pelo magistrado e pediam que a audiência de confirmação fosse adiada até que uma investigação do FBI (polícia federal americana) sobre os episódios fosse concluída.

Caso o juiz seja finalmente aprovado, o equilíbrio da corte será alterado. Ela passará a ter quatro progressistas e cinco conservadores.

Se a nomeação for rejeitada, e os democratas consigam maioria em ao menos uma das casas do Congresso nas eleições legislativas de novembro, o processo pode se estender para até depois de 1º de janeiro, quando começa a nova legislatura, o que complicaria a vida de Trump.

DESTAQUES DOS EDITORES