Publicidade
Higiene

Em tempo de coronavírus, celular também deve ser limpo. Saiba como

(Foto: Divulgação)

 Ao mesmo tempo que muita gente faz estoque de máscaras de proteção e álcool gel preocupada com o coronavírus, quase ninguém presta atenção no aparelho celular. Entre as recomendações de prevenção do coronavírus do Ministério da Saúde, está limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência, e o celular talvez seja o objeto que mais se encaixa neste perfil. A preocupação tem fundamento. Um estudo da Devry Metrocamp, em Campinas (SP) identificou em celulares a presença de até 23 mil fungos e bactérias que podem provocar doenças como micoses, conjuntivite, intoxicações alimentares, além de infecções respiratórias e urinárias. 

A frequência com que os smartphones devem ser higienizados depende da forma como usa o aparelho. Pessoas que costumam utilizar o telefone no transporte público ou durante as refeições precisam limpá-lo diariamente, ao menos duas vezes. Quem não costuma usar telefones em lugares com maior incidência de germes ou evita utilizá-los durante as refeições pode limpar uma vez por dia, pelo menos. 

As capinhas de borracha, muito populares como ferramenta para proteger o celular contra quedas, acumulam ainda mais bactérias do que as partes de metal, vidro ou plástico. Laterais da capa e do telefone também tendem a reunir mais germes do que as superfícies lisas.

Como limpar seu smartphone:

Pano e água
Se você não tem muitos instrumentos sosticados em casa e tem medo de colocar produtos químicos na tela do seu celular, o processo tradicional de limpeza do seu smartphone pode envolver apenas um pano e água. A Apple recomenda que sejam utilizados panos como aqueles de limpar lente de óculos, porém, qualquer um com um material similar deve servir. Molhe um pedaço do pano na água e e limpe a parte frontal e traseira do aparelho usando movimentos circulares para remover a sujeira acumulada. Você pode manter uma extremidade do seu pano seca ou ter um pano seco à mão para remover o excesso de umidade no nalprincipalmente em áreas como botões.

Mergulhe seu smartphone na água
Se o seu celular tiver certicação IP68 - verique a lista de especicações do seu dispositivo - que a vontade para mergulhá-lo em uma tigela de água
limpa por um ou dois minutos. Depois embrulhe-o em uma toalha para secar.

Lenços umedecidos para rosto ou bebês
Para marcas mais persistentes, utilize lenços umedecidos para rosto ou bebês e sabonete para as mãos. Antes, cheque se os panos são recomendados para dispositivos eletrônicos.

Alcool e água
Alguns especialistas também recomendam misturar uma solução de álcool (álcool isopropílico a cerca de 60-70 por cento) e água. Pulverize-o no seu pano de limpeza, em vez de diretamente no telefone, para se livrar do restodas bactérias. Use as substâncias em pouca quantidade para não correr riscos.

Outras medidas de prevenção, segundo Ministério da Saúde

Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
Evitar contato próximo com pessoas doentes.
Ficar em casa quando estiver doente.
Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES