Publicidade
Economia

EUA oficializam tarifa sobre aço e não poupam Brasil

ESTELITA HASS CARAZZAI WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - Numa medida de repercussões globais, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou nesta quinta (8) o ato que estabelece tarifas de 25% sobre o aço e 10% sobre o alumínio importados ao país, um dos maiores compradores mundiais desses insumos. O Brasil, segundo maior exportador de aço para os EUA, não foi poupado e estará sujeito à sobretaxa -o que deve desequilibrar a indústria siderúrgica nacional, que emprega cerca de 100 mil pessoas.  As tarifas passarão a valer em 15 dias. Por ora, apenas os vizinhos México e Canadá foram excluídos da medida, e assim permanecerão, a depender de como forem as renegociações do Nafta (Acordo de Livre Comércio da América do Norte).  Mas Trump deixou aberta a possibilidade de modificar e renegociar as tarifas, desde que não haja ameaça à segurança nacional dos EUA. "Vamos ver quem nos trata com justiça e quem não", afirmou o presidente. A medida tem o potencial de gerar uma guerra comercial global: a União Europeia já ameaçou retaliar produtos americanos, como calças jeans Levi's, uísque do tipo Bourbon, cranberries e até pasta de amendoim.  Já o Brasil, que tentava renegociar a sobretaxa com o governo americano, não exclui a possibilidade de levar a questão à OMC (Organização Mundial do Comércio).  No ano passado, o país exportou US$ 2,6 bilhões (cerca de R$ 8,5 bilhões) em aço aos Estados Unidos, principal comprador do produto brasileiro. "É uma alíquota extremamente alta e, com certeza, irá inviabilizar nossas exportações para lá" afirmou na semana passada o presidente do Instituto Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes, à reportagem. Os EUA respondem por um terço das exportações brasileiras de aço. O ministério da Indústria e Comércio Exterior argumenta que o produto brasileiro não concorre com o americano, que compra produtos semiacabados de aço. Além disso, o Brasil também é o principal comprador de carvão dos EUA -uma indústria igualmente cara a Trump, que prometeu revitalizar o setor e gerar empregos para seus trabalhadores, que votaram em peso no republicano. O carvão americano é especialmente usado na indústria siderúrgica do Brasil. Se sua produção for afetada pelas sobretaxas, as importações do produto, consequentemente, irão diminuir.  "Vai ser um tiro no pé", afirmou Mello Lopes à reportagem. JUSTIFICATIVA Trump assinou as tarifas com base numa lei do tempo da Guerra Fria, de 1962, que dá a ele a prerrogativa de estabelecer proteções comerciais com base na segurança nacional. Normalmente, a definição da política comercial cabe ao Congresso. Um relatório do Departamento de Comércio americano, produzido a pedido da Casa Branca, concluiu que a importação de aço e alumínio reduziu a capacidade siderúrgica nacional e, por isso, ameaça a indústria de defesa dos EUA. "O aço e o alumínio são a espinha dorsal da nação", declarou Trump nesta quinta (8). Mas o mandatário deixou claro que sua preocupação também é com os déficits comerciais do país -uma espécie de obsessão do republicano, aos quais atribui a perda de empregos na indústria-, e reclamou que os EUA não têm sido tratados com justiça por outros países. "Defesa e comércio andam lado a lado", disse o presidente. Eleito com a promessa de colocar a "América em primeiro lugar", Trump tem intensificado as políticas protecionistas dos EUA. Uma de suas primeiras medidas foi retirar o país da Parceria Transpacífico, considerado o maior acordo comercial da história. Mais recentemente, ele impôs tarifas sobre máquinas de lavar e painéis solares da China, aumentou o número de investigações por dumping e está renegociando outros acordos comerciais, sempre sob o argumento de proteger o emprego dos americanos. CONSEQUÊNCIAS Desde que Trump anunciou as tarifas, na semana passada, países de todo o mundo ameaçaram retaliar os EUA, e até mesmo políticos do Partido Republicano e indústrias americanas tentaram dobrar o presidente. Os EUA não produzem aço e alumínio suficientes para dar conta da demanda interna. Os setores de construção, metalurgia, automotivo e petrolífero reclamaram efusivamente da medida, e devem ver os custos de produção aumentar.  Há a expectativa de que preços subam, outros setores econômicos sejam retaliados e haja a perda de quase 180 mil vagas de trabalho pelo país, segundo estudo da consultoria The Trade Partnership. Mas Trump não quis voltar atrás. A imposição de tarifas enfrentava oposição dentro da própria Casa Branca. Nesta semana, o presidente perdeu um de seus principais assessores econômicos, Gary Cohn, ex-executivo do banco Goldman Sachs. Ele anunciou sua saída poucos dias depois da decisão sobre as taxas, às quais era contrário.  "Ele é um globalista, mas eu ainda gosto dele", brincou Trump nesta quinta (8).

DESTAQUES DOS EDITORES