Publicidade
Desvios

Ex-governadores são alvo de processos que somam R$ 2 bilhões

Richa: réu em cinco processos
Richa: réu em cinco processos (Foto: Geraldo Bubniak)

Em uma década, metade dos Estados brasileiros e o Distrito Federal tiveram governadores implicados em suspeitas de crimes, relacionados aos seus mandatos e suas campanhas eleitorais. São 26 ex-mandatários atualmente investigados, denunciados ou condenados por casos de corrupção. Somados, os valores das ações ou investigações das quais são alvo ultrapassam a cifra de R$ 2 bilhões. O levantamento é do jornal ‘O Estado de São Paulo’.

A lista inclui o ex-governador Beto Richa (PSDB), réu em pelo menos cinco processos oriundos de quatro operações do Ministério Público Federal e do Ministério Público estadual: a Integração, que apura um esquema de corrupção no pedágio; a Piloto, que investiga suspeitas de pagamento de propina pela Odebrecht em troca do favorecimento em licitação para obras da rodovia lPR-323; e Rádio Patrulha, que apura suspeitas de desvios no programa Patrulha do Campo, de melhorias em estradas rurais. O tucano chegou a ser preso três vezes, entre setembro de 2018 e janeiro de 2019, mas acabou solto por decisões judiciais de instâncias superiores, e a Quadro Negro, que investiga suspeitas de desvios em obras de construção e reforma de escolas.

Na avaliação de juristas, as investigações no plano estadual ganharam impulso com o avanço do trabalho dos órgãos de controle federais nos Estados e no DF. O caso mais recente é o do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), da Paraíba, denunciado (acusado formalmente) por participação em organização criminosa responsável por prejuízo de R$ 134 milhões aos cofres estaduais. Sua defesa diz que não há provas das acusações, e que Coutinho é inocente.

Protagonismo

Sete ex-governadores já foram condenados, entre eles o emedebista Sérgio Cabral (RJ) e o petista Fernando Pimentel (MG). Só do Rio de Janeiro, quatro ex-governadores integram a lista: Cabral foi condenado por corrupção ativa, passiva, lavagem de dinheiro, organização criminosa e evasão de divisas. Ele já foi sentenciado em 12 ações criminais a penas que somam 122 anos. Luiz Fernando Pezão (MDB) é réu em processo que apura o recebimento de quase R$ 40 milhões em propinas. A defesa de Pezão tem sustentado que as acusações não procedem.

Anthony e Rosinha Garotinho são réus em ação por corrupção, peculato e organização criminosa. Os dois foram presos provisoriamente em outubro do ano passado, mas atualmente respondem em liberdade. Eles negam as irregularidades.

O levantamento mostra que há protagonismo da Polícia Federal e do Ministério Público Federal nos processos, ante os órgãos de controle estaduais. Entre os 19 casos de ex-governadores que tiveram denúncias aceitas na Justiça, 14 ocorreram na esfera federal.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES