Publicidade

Fiasco de Macri na Argentina põe liberais brasileiros em saia justa

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Saudado como uma esperança liberal para a América Latina após anos de intervencionismo econômico do casal Kirchner, Mauricio Macri mudou de rumo e deixou a direita em transe.

Em três anos e meio de mandato, o presidente argentino não conseguiu controlar a inflação e fazer a economia deslanchar com sua receita de desregulamentação e retirada de controles e subsídios. Candidato à reeleição em outubro, transportou seu país de volta aos anos 1990, pedindo socorro ao FMI. Para horror dos liberais, cometeu o sacrilégio de decretar congelamento de alguns preços. José Sarney não faria melhor.

A direita brasileira, que o via como um modelo em 2015, agora busca explicações, e não esconde a decepção.

“Foi um alívio a eleição dele num momento em que a Venezuela endurecia seu regime e o esquerdismo tinha várias vitórias no continente. Não deixa de ser decepcionante o que vemos agora”, diz o deputado Marcel van Hattem (RS), líder do Novo na Câmara dos Deputados, que atuou como observador na eleição de Macri.

O deputado é ligado ao MBL (Movimento Brasil Livre), grupo que na época festejou a vitória do candidato. “Macri assumiu a Argentina há menos de duas semanas e está tomando uma política econômica antagônica à de Dilma. Daqui a um tempo veremos o resultado dessa nova argentina, e o caminho tomado pelo Brasil”, disse o movimento em um tuíte de dezembro de 2015.

O argentino, no começo, procurou tirar algumas amarras da economia, como o controle do câmbio. Também acabou com a manipulação dos índices de inflação. Mas não conseguiu combater o déficit público e não consertou o problema crônico argentino de dependência de capital estrangeiro. Quando os recursos secaram, houve choque de juros, ataque à moeda e recessão profunda.

O fiasco argentino, diz Van Hattem, se deve à resiliência de décadas de populismo e intervencionismo no país. “Fica claro que, no caso do liberalismo, as ideias são maiores do que as pessoas”, diz ele, que ainda acha Macri uma opção melhor que o retorno de Cristina Kirchner. “O ideal seria surgir outro candidato, verdadeiramente comprometido com o liberalismo”, afirma.

Outra que comemorou a vitória de Macri foi a então senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS). “A eleição de Maurício Macri entra para a história da Argentina e da América Latina porque coloca fim a 12 anos de kirchnerismo. Ficou evidente que a sociedade argentina quer mudar o rumo, quer uma nova maneira de governo”, discursou na época, no plenário do Senado.

Hoje, ela diz que lamenta que o governo não tenha dado certo. “As medidas tomadas contrariam o histórico dele, de empresário liberal”, afirma a ex-senadora. Para ela, o desempenho “acende uma luzinha amarela” nos liberais brasileiros. “É sempre bom ficar de olho no que acontece lá”, afirma.

Ana Amélia prefere, no entanto, esperar o efeito que as medidas intervencionistas terão na economia argentina antes de dar um veredito final. “Não dá para fazer uma projeção de que ele errou ou acertou neste momento. Temos que esperar os resultados”, afirma.

Para Paulo Gontijo, presidente do grupo Livres, Macri errou na dose de liberalismo, que foi muito fraca. “Ele escolheu um caminho gradual numa economia que ainda é muito fechada e muito controlada. Não enfrentou os sindicatos, por exemplo”, afirma.

Segundo ele, Macri está pensando apenas nos efeitos políticos de curto prazo, para ter alguma chance de vitória eleitoral. “A gente já viu esse filme. O resultado é um desastre absoluto. Mas traz dividendos políticos de curto prazo”, diz.

Gontijo discorda que o fracasso argentino coloque em xeque as ideias liberais no continente. “Os liberais não estão envergonhados. Estão denunciando o que houve na Argentina até mais do que a esquerda”, diz.

Gianluca Lorenzon, ligado a dois institutos liberais (Mises Brasil e Clube Farroupilha), diz que Macri decepcionou desde o início. “Acho que o erro foi a esperança liberal nele”, diz.

Para ele, que ocupa um cargo técnico no Ministério da Economia, o desempenho foi frustrante, mas esperado.

“Infelizmente a promessa liberal nunca se concretizou. Apesar de alguns acenos no início, nada concretamente liberal foi proposto. Inclusive ele iniciou o mandato com estatizações, sem sequer reverter as políticas estatistas de Cristina”, diz.

Lorenzon estudou com alguns colaboradores do governo Macri e diz que desde sempre os argentinos viam o discurso liberal como radical. “Se ele fosse, de fato, liberal, muita coisa teria sido diferente. Pessoas que acham o liberalismo algo radical estão fadadas ao fracasso econômico, cedo ou tarde”, declara.

DESTAQUES DOS EDITORES