Publicidade
Copa 2018

Fifa responde queixa da CBF, mas se recusa a liberar áudio do VAR

MOSCOU E SÃO PETERSBURGO, RÚSSIA (FOLHAPRESS) - A Fifa respondeu nesta quarta-feira (20) a carta na qual a CBF se queixa da atuação do juiz mexicano César Ramos e do VAR (árbitro-assistente de vídeo, na sigla em inglês) no empate da seleção brasileira em 1 a 1 com a Suíça, mas se recusou a liberar imagens ou áudio da conversa entre os árbitros.

Segundo pessoas da CBF, a Fifa não informou na carta se houve erro ou acerto na decisão. Explicou apenas como funciona o protocolo do VAR e que ele interfere apenas em erros claros. Em outros lances, a atuação é exclusiva do árbitro de campo, como aconteceu no gol de Zuber.

A reclamação da CBF é a de que o suíço fez falta em Miranda, mas o árbitro se recusou a pedir auxílio da tecnologia.

A Fifa informou que não vai revelar o conteúdo da carta por completo.

A entidade, porém, em nenhuma ocasião, vai liberar áudios ou imagens. Elas são armazenadas para estudo da comissão de arbitragem.

Na terça-feira (19), após o fim da primeira rodada da Copa, a Fifa disse que está satisfeita com o uso do VAR, mas reconheceu que polêmicas seguirão existindo.

"A Fifa está extremamente satisfeita com o nível de arbitragem e o sucesso na implementação do VAR, que foi positivamente aceito e apreciado na comunidade do futebol", disse a entidade.

"É sabido que ainda haverá discussões e opiniões divididas envolvendo certas decisões", completou a Fifa.

Ao fim da fase de grupos, a entidade fará uma nova avaliação e passará os resultados aos jornalistas.

DESTAQUES DOS EDITORES