Publicidade
Esporte

Fora do UFC desde 2016, Minotouro vence Alvey em retorno e é aclamado em SP

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Depois de ficar sem lutar por quase dois anos, Rogério Minotouro voltou ao octógono do UFC com vitória sobre Sam Alvey na madrugada deste domingo (23), em São Paulo, no Ginásio do Ibirapuera. O triunfo veio por finalização logo no início do segundo round.

O primeiro assalto do combate foi muito estudado, mas os dois arriscaram a trocação. O começo do segundo round deu trabalho para o norte-americano: inflamado pela torcida, Minotouro perseguiu o rival na corrida, encaixou uma saraivada de socos e finalizou o embate antes do primeiro minuto.

Assim como Rodrigo Minotauro, irmão do vencedor, o público presente nas arquibancadas explodiu ao aclamar Minotouro. Sam Alvey, que costuma ser risonho e subiu ao octógono ao som da animada música "Hey, Soul Sister", da banda Train, arriscou alguns sorrisos para o veterano brasileiro após o nocaute.

Enquanto terminava o aquecimento, o americano não deixou de sorrir para a torcida brasileira. Ele já havia se declarado ansioso para ouvir os gritos de "uh, vai morrer", que reproduziu em entrevista ao UOL Esporte com sotaque muito carregado; o público não o deixou na mão e tratou de cantar no primeiro minuto.

Desde novembro de 2016, data de sua última luta antes do UFC SP, Minotouro amargou uma suspensão por doping que acabou revogada pela Usada (Agência Anti-Doping dos Estados Unidos). Absolvido da acusação inicial, o brasileiro foi liberado para lutar.

"Marcaram a luta em cima da hora, e eu estava meio inseguro. Estava sem treinar nada, machucado nas costas? Quando a luta foi marcada, eu tive uma infecção na perna, saí do hospital com 110 kg. Foi difícil voltar. Eu estava achando que essa não seria a volta perfeita. Um mês para treinar, cheio de antibiótico no corpo? Eu consegui o gás nos 10 últimos dias de treino", revelou.

Embora tenha dito a reportagem que já está na hora de "começar a pensar em parar", o veterano não fez qualquer anúncio ao fim da luta. Pelo contrário: deixou claro que sentiu "muita saudade de lutar".

"Foi difícil para mim, uma luta realmente de teste. Quero estar de volta, sentir o octógono novamente. Enquanto eu tiver condições de lutar e essa lesão nas costas não me deixar de fora, eu pretendo lutar normalmente", avisou Minotouro.

Ele disse que não se incomoda com as perguntas sobre aposentadoria. "É normal, pela minha idade. Estou com 42 anos, tem pouca gente da minha idade lutando bem. A aposentadoria não é um assunto fora de cogitação, mas acho que hoje afastei um pouco este assunto. Quero lutar pelo menos até o fim do ano ou início do ano que vem", concluiu.

Falecido em junho de 2016, o ator italiano Bud Spencer, avô e homônimo de Carlo Pedersoli (Bud Spencer era seu nome artístico), ficou conhecido pelos filmes de bang-bang do gênero "western spaghetti". Quis o destino que seu neto fosse derrotado por um lutador chamado Alex Cowboy. O brasileiro obteve a finalização mais rápida deste UFC SP, com um nocaute aos 39 segundos do primeiro assalto.

O UFC SP já estava na segunda luta do card principal, mas ainda faltava um momento que fizesse a torcida gritar de espanto. No primeiro minuto do primeiro assalto, Andre Ewell foi bem no contra-ataque e levou Renan Barão ao chão como quem está prestes a cair desacordado.

Para a alegria dos brasileiros presentes nas arquibancadas, o susto durou um segundo: Barão logo estava de pé, fazendo o possível para agarrar Ewell - o movimento repentino mostrou até certa dose de desespero, dando a entender que o brasileiro queria uma resposta imediata.

O segundo assalto não escondeu a exaustão dos dois lutadores, que se cumprimentaram com um toque de luvas a cada reinício da luta. Barão levava a mão ao próprio nariz entre uma investida e outra.

Ele tinha razão em desconfiar. Afinal, seu nariz já estava vermelho-sangue quando o público o viu receber um cruzado e cambalear por quase dois metros. A luta chegou ao fim sem um nocaute, mas Andre Ewell foi considerado vitorioso pelos juízes por decisão dividida.

A missão de estrear no UFC já não é fácil, e se torna ainda mais ingrata se o debute ocorrer no card principal. Marina Rodriguez, designer brasileira recém-contratada pelo Ultimate, sofreu para encarar Randa Markos.

A oponente nasceu em Bagdá, no Iraque, fugiu da Guerra do Golfo e veio parar no octógono do Ginásio do Ibirapuera como adversária da iniciante Marina. As vaias foram a trilha sonora do primeiro assalto, com poucos vestígios de trocação.

Randa levou a luta para o chão e manteve o controle, mas não conseguiu finalizar o embate. Marina resistiu bravamente e não entregou a montada de presente para a adversária. A trocação ficou mais explícita no segundo assalto.

Uma pequena mancha vermelha no rosto de Randa passou a combinar com a cor de seus cabelos. O cansaço das duas ficou nítido, mas Marina ofegava mais. Quando finalmente emendou uma sequência de socos, a brasileira foi barrada pelo som do gongo.

A torcida enlouqueceu quando Marina colocou Randa contra o corner e acertou um soco preciso, mas a finalização não veio durante os 15 minutos de luta. Embora a decisão tenha ficado para os juízes, a brasileira já comemorava antes do anúncio, mas se contentou com o empate.

Confira os resultados das lutas do UFC São Paulo:

Card principal:

Thiago Marreta nocauteou Eryk Anders ao fim do terceiro round

Alex Cowboy venceu Carlo Pedersoli com finalização aos 39s do primeiro round

Rogério Minotouro derrotou Sam Alvey com finalização aos 35s do segundo round

Andre Ewell venceu Renan Barão por decisão dividida (29-28, 28-29, 29-28)

Randa Markos e Marina Rodriguez empataram por decisão majoritária (29-28, 28-28, 28-28)

Card preliminar:

Charles do Bronx venceu Christos Giagos com finalização aos 3min23 do segundo round

Francisco Massaranduba derrotou Evan Dunham com finalização aos 4min10 do segundo round

Ryan Spann venceu Luis Henrique KLB por decisão unânime (30-27, 30-27, 29-28)

Augusto Sakai finalizou Chase Sherman com nocaute técnico aos 4min03 do terceiro round

Serginho Moraes venceu Ben Saunders com finalização aos 4min42 do segundo round

Mayra Sheetara venceu Gillian Robertson com finalização aos 4min55 do primeiro round

Thales Leites derrotou Hector Lombard por decisão unânime (29-28, 29-28, 29-28)

Elizeu Capoeira nocauteou Luigi Vendramini a 1min20 do segundo round

Livinha Souza venceu Alex Chambers com finalização a 1min21 do primeiro round

DESTAQUES DOS EDITORES