Publicidade
Polêmica

Goleiro do Atlético-PR é absolvido pelo STJD no caso do celular em campo

O goleiro Santos utiliza celular segundos antes do in\u00edcio da partida contra o Galo
O goleiro Santos utiliza celular segundos antes do in\u00edcio da partida contra o Galo (Foto: Divulgação/Atlético-PR/Miguel Locatelli)

O goleiro Santos, do Atlético Paranaense, foi absolvido nessa quinta-feira (dia 24) pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Ele foi julgado por usar um celular no gramado, na Arena da Baixada, na derrota para o Atlético-MG, em 13 de maio. Como escapou da punição, o jogador está liberado para jogar domingo (dia 27), contra o Paraná Clube, na Vila Capanema. Ele corria risco de suspensão de até seis jogos. O clube também foi indiciado e poderia ter sido multado em até R$ 100 mil, mas acabou absolvido.

“Apesar do Atlético/PR conceder entrevista e explicar que o episódio tratava-se de uma campanha de marketing, não houve pedido de autorização do clube paranaense à CBF, responsável pela organização do campeonato. Desta forma, por infração a regra 4 do futebol que proíbe o uso de aparelhos eletrônicos de comunicação, o clube responderá ao artigo 191, inciso I do CBJD por deixar de cumprir obrigação legal e o goleiro ao artigo 258 do CBJD por conduta contrária à disciplina e ética. Atlético/PR pode ser multado em até R$ 100 mil e o goleiro suspenso por um a seis jogos”, explicou o site Stjd.org.br.

O Atlético só foi julgado por acabou denunciado pela procuradoria do STJD, com base em vídeo. Normalmente, os clubes são denunciados com base na súmula (documento oficial redigido pelo árbitro a cada partida). No entanto, nesse jogo,o árbitro Luiz Flávio de Oliveira não relatou o caso do celular na súmula. Por não ter relatado, acabou denunciado pela procuradoria e também corria o risco de suspensão nesse julgamento. Acabou absolvido.

A procuradora do STJD Júlia Galhego explicou por que denunciou o Atlético, ao se manifestar durante o julgamento. "Até parabenizo a equipe do Atlético com esse engajamento social, porém para esse tipo de campanha seria necessário um documento expresso da CBF e dos órgãos de administração autorizando", declarou.

Durante o julgamento, o advogado Mário Bittencourt, que defendeu o Atlético-PR nesse caso, citou outros casos semelhantes que passaram desapercebidos pelo STJD. Ele lembrou do episódio em que Romero, do Corinthians, retirou o celular e fez uma selfie após a comemoração de um gol e não foi denunciado. Também citou episódios com atleta do Fortaleza e do Cruzeiro. 

O Atlético-PR foi julgado nessa quinta-feira na Quinta Comissão Disciplinar (que faz parte da primeira instância). A procuradoria tem o direito de recorrer e levar o caso para o Pleno (instância máxima) do STJD. No entanto, ainda não há informações se os procuradores vão insistir no caso.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES