Publicidade
Campeonato Paranaense

Goleiro dos aspirantes do Athletico admite falha no gol do Toledo

O goleiro Léo: "Nem herói, nem vilão"
O goleiro Léo: "Nem herói, nem vilão" (Foto: Valquir Aureliano)

O goleiro Léo, 28 anos, admitiu ter falhado no gol do Toledo, na derrota dos aspirantes do Athletico Paranaense, por 1 a 0, na primeira partida da final do Campeonato Paranaense, no último domingo (dia 14). “A gente sabia que eles poderiam surpreender na bola parada. Demos algumas brechas, estávamos controlando o jogo. Foi um cabeceio para o chão, a bola pega um pouco de velocidade e isso dificulta para o goleiro, mas não fujo da responsabilidade”, declarou, para a rádio Transamérica, ainda no gramado do Estádio 14 de Dezembro.

No lance, aos 47 minutos do segundo tempo, o zagueiro Lucas Halter, do Athletico, deixou o zagueiro Fandinho, do Toledo, completamente livre para cabecear. Léo ameaçou sair do gol, deu um passe à frente, desistiu e retornou. Com esse movimento, perdeu o posicionamento ideal para fazer a defesa. E viu a bola passar ao seu lado, sem grande dificuldade.

Na final da Taça Dirceu Krüger, Léo fez uma defesa importante durante os 90 minutos e pegou um pênalti na decisão, na vitória sobre o Coritiba, na última quarta-feira (dia 10). Perguntado se ele foi o herói do Atletiba e o vilão em Toledo, o goleiro preferiu fugir desses rótulos. “Pode ser. Não digo que fui herói na quarta-feira e nem digo que fui vilão hoje, porque tem mais um jogo e a gente pode reverter”, afirmou o goleiro, que tem apenas 43 partidas como profissional, apesar dos 28 anos de idade.

Sobre o desempenho de toda equipe em Toledo, Léo admitiu a fraca atuação. “Jogamos abaixo do que vínhamos jogando. O campo não proporciona muito isso. É irregular. A bola fica muito viva e dificultou para a gente. Mas vamos reveter lá”, disse.

O time de aspirantes do Athletico volta a enfrentar o Toledo no próximo domingo, às 16 horas, na segunda partida da final. A equipe do Interior conquista o título se arrancar um empate na Arena da Baixada. O Furacão precisa vencer por dois ou mais gols de diferença para conquistar o Paranaense. Se ganhar por um gol de diferença, a decisão será nos pênaltis.

DESTAQUES DOS EDITORES