Publicidade
Casos de família

Homem é sequestrado a mando da própria sogra e torturado por dias

(Foto: Divulgação/ Polícia Civil)

Um homem de 32 anos foi torturado a mando da própria sogra e ficou sem se alimentar por dias enquanto era feito refém em dois imóveis usados como cativeiro na Baixada Santista, em São Paulo. O caso veio à tona neste sábado (25 de maio) após a Polícia Civil localizar a vítima em um apartamento em Itanhaém (SP).

O resgate foi possível graças a uma denúncia à Delegacia de Investigações Gerais (DIG), que acabou levando os policiais a encontrarem o caseiro ainda com vida e diversos ferimentos pelo corpo. Aos investigadores, a vítima relatou que foi rendida próximo do sítio em que vive com a esposa, em Peruíbe (SP), após atender o pedido de ajuda de dois homens que alegaram ter atolado um carro.

Inicialmente, os bandidos o levaram até uma chácara localizada em região afastada do centro de Peruíbe e exigiram que ele assumisse um estupro cometido contra a própria cunhada, de 24 anos, que tem deficiência mental. Para conseguirem a confissão, os sequestradores espancaram o caseiro e chegaram a lhe mostrar um galão com gasolina e uma corda, mandando que ele escolhesse como queria morrer.

Além das agressões e ameaças, os suspeitos também relataram à vítima, que ficou três dias sem comer, que a mãe de sua esposa havia autorizado o bando a matá-lo, contando ainda um pedido especial da mulher de 42 anos: que o genro "fosse picado no facão". A vítima então foi levada à Intanhaém, aonde, segundo a mulher de um dos sequestradores, seria feito "churrasquinho" dele.

Depois que a polícia estourou o cativeiro, entretanto, a casa caiu para o bando. Logo de cara, dois suspeitos foram presos no local do cativeiro em Itanhaém. Em seguida, foi vez da sogra, um autônoma de 42 anos, parar na cadeia. À polícia, justificou ter autorizado o sequestro do genro por ele ter estuprado a irmã de sua esposa, também filha dela.

Ao todo, cinco suspeitos já foram identificados e presos ou apreendidos pela Polícia Civil, entre eles uma adolescente de 16 anos. O caseiro nega ter cometido qualquer estupro e foi atendido no hospital da cidade após ser resgatado. As acusações contra ele, porém, ainda serão investigadas pela Polícia Civil.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES