Publicidade
Artigo

Inovação pecuária

Muitas vezes destaquei que o Paraná é um estado com diversas potencialidades, que vão desde o turismo e agronegócio até a competitividade da nossa indústria. Dessa forma, temos muitas oportunidades para expandir nossa economia ao estimular e promover melhorias daquilo que é característico de nossa região.
Em 2017 tivemos um grande avanço na pecuária com o reconhecimento nacional da raça bovina Purunã, que tem origem em nosso estado e foi desenvolvida pelo Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) desde a década de 80. Resultado do cruzamento de outras quatro raças (Charolês, Aberdeen Angus, Caracu e Canchim), o gado Purunã apresenta características extremamente atraentes para o mercado, como tolerância ao calor, padronização das carcaças, velocidade no ganho de peso, idade reprodutiva precoce, resistência a doenças e temperamento dócil.
Além de atender os mercados mais exigentes, essa raça também é adaptada para diferentes tipos de criadores, sem exigir grandes investimentos tecnológicos. São fatores extremamente positivos que precisam ser trabalhados para fortalecer o crescimento econômico e social das áreas rurais.
Apesar do enorme potencial, a raça Purunã ainda possui uma atuação limitada no estado, com uma estimativa de três a quatro mil animais em criação. Dessa forma, desenvolver programas inovadores que estimulem esse segmento permitirá que tenhamos uma linhagem genética pura e de confiança para o mercado, bem como excelentes possibilidades de negócios que irão aquecer a economia paranaense.
Atualmente diversas prefeituras ajudam os produtores com a distribuição de sêmen de bovino, contribuindo para o aumento da produção. Aprimorar esses projetos e/ou implantar um programa de inseminação artificial do gado Purunã é uma opção válida para promover o crescimento dessa raça no estado, criando condições e acesso para os pequenos e médios produtores.
Em conjunto com a promoção de cursos para criação do gado, teríamos os instrumentos para estimular a expansão da produção, com benefícios de curto, médio e longo prazo que trariam, gradualmente, uma diminuição da importação e aumento da exportação no estado, geração de empregos e capitalização dos produtores.
Em basicamente qualquer mercado, os maiores beneficiados são sempre aqueles que chegam primeiro e a raça Purunã já desperta interesse de diversos estados como Mato Grosso, Minas Gerais e São Paulo. Precisamos valorizar aquilo que produzimos e, com trabalho conjunto entre o poder público e iniciativa privada, criar condições para que sejamos pioneiros nesse segmento, tornando o Paraná cada vez mais uma referência de qualidade na pecuária.


Marcello Richa é presidente do Instituto Teotônio Vilela do Paraná (ITV-PR)

DESTAQUES DOS EDITORES