Feridos

Integrantes do MST são atacados perto de acampamento pró-Lula em Curitiba

Integrantes do Movimento Sem Terra (MST),  do acampamento pró-Lula, foram atacados na noite desta terça-feira (17) no Santa Cândida. Segundo informações da assessoria do grupo Lula Livre, eles foram atacados quando atravessavam a Avenida Paraná para seguirem para os terrenos onde o grupo está acampado desde a manhã desta terça, na esquina das ruas Joaquim Nabuco e São João.  De acordo com informações do presidente do PT do Paraná, Florisvaldo Fier, o doutor Rosinha, eram cerca de 40 agressores que atacaram as vítimas com barras de ferro, pedras e pedaços de pau. "Não sabemos ainda quantos feridos foram. Eles estão sendo atendidos por ambulâncias privadas que nós contratamos", disse ele, em entrevista ao Bem Paraná. De acordo com Rosinha, os autores do ataque se identificaram como integrantes da torcida do Coritiba, a Império Alviverde. Mais tarde, confirmou-se que houve pelo menos duas pessoas feridas. 

"Eu tive que parar uma viatura que passava aqui depois do ataque e nada fizeram", disse ele.  Em nota, a  organização do acampamento Lula Livre disse que exige dos órgãos de segurança pública uma resposta quanto ao não cumprimento do acordo estabelecido em reunião com representantes da Procuradoria do município de Curitiba, do Ministério Público, da Comissão de Direitos Humanos da OAB, do Comando da Polícia Militar, e com o assessor da governadora Cida Borghetti. O acordo previa a presença de uma viatura perto dos acampamentos. A organização ainda pede que as medidas cabíveis sejam tomadas e que a segurança seja efetiva nos locais onde permanecem os acampados.

Mais tarde, a Secretaria da Segurança Pública do Paraná (Sesp) informou que deslocou viaturas da Polícia Militar para patrulhamento no local. A Sesp confirmou que tratava-se de um princípio de confronto envolvendo torcedores de um time de futebol e manifestantes. “A Sesp esclarece que não compactua com qualquer ato de violência e que a Polícia Civil vai investigar os responsáveis pelo confronto entre torcedores e manifestantes”, disse a Secretaria, em nota.