Publicidade
Liminar

Justiça suspende investigação da Polícia Civil sobre morte de jornalista na Praça da Espanha

(Foto: Reprodução)

O Juiz Sérgio Bernadineti, da Vara da Auditoria de Justiça do Militar Estadual decidiu, na tarde desta terça (3), por trancar o inquérito policial que investigava os fatos que resultaram em uma perseguição policial seguida da morte do jornalista Andrei Franciquini, 35 anos,, na madrugada do dia 12 de maio, na Praça da Espanha, na região central de Curitiba. Segundo a decisão liminar, cabe à Polícia Militar (PM) investigar crimes envolvendo policiais militares e que há previsão constitucional para isso. "Tratando-se de crime militar, ainda que a competência para processamento e julgamento seja da Justiça Comum, há necessidade de instauração de inquérito policial militar, obviamente, pelaPolícia Militar", afirmou o juiz, na decisão.

Francisquini foi morto a tiros após ser abordado por policiais militares no Centro de Curitiba, desobedecer a ordem policial e fugir com seu carro em alta velocidade. Ele foi baleado, na Praça da Espanha, após ser cercado e tentar, segundo a versão dos policiais militares, jogar o carro contra as equipes que acompanhavam a ocorrência. Com a vítima, dentro do carro, foi encontrada uma pistola de fabricação israelense.  De acordo com os advogados de defesa dos policiais militares envolvidos na ocorrência, Claudio Dalledone Junior e Eduardo Milleo, a decisão segue o procedimento padrão de investigação nesses casos. “A investigação destes fatos é de atribuição do Inquérito Policial Militar e de competência da Auditoria Militar e não da Polícia Civil. Por este motivo, nada mais justo que o inquérito instaurado pela Polícia Civil seja trancado como foi”, disse Milleo. A Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) afirmou que respeita a decisão da Justiça. 

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES