Publicidade
Exterior

Kim concorda em desativar complexo nuclear

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ditador norte-coreano, Kim Jong-un, prometeu nesta quarta-feira (19) fechar o principal complexo nuclear do país e permitir a presença de inspetores internacionais do país, desde que os Estados Unidos se comprometam a tomar ações semelhantes.

As afirmações fazem parte da declaração conjunta divulgada após encontro em Pyongyang de Kim com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in. Os dois governos anunciaram medidas diplomáticas como uma visita do ditador a Seul até o fim do ano e o aumento dos encontros entre famílias separadas. Representantes militares também assinaram acordos para diminuir a tensão na zona desmilitarizada que divide os países.

Kim aceitou também desativar o complexo de Dongchang-ri, usado para o lançamento de mísseis, e afirmou que vai autorizar a presença de inspetores internacionais no local, no que foi considerado um avanço.

Em maio, quando os norte-coreanos desativaram o complexo de Punggye-ri, jornalistas puderam observar à distância, mas a presença dos inspetores não foi permitida.

Além de Dongchang-ri, Kim pela primeira vez aceitou fechar também o complexo de Yongbyon, o principal do país e centro do programa nuclear. Para isto, porém, o ditador impôs como exigência que os EUA tomem "medidas correspondentes". O fim do complexo seria importante concessão a Washington.

O presidente americano Donald Trump afirmou na Casa Branca que o encontro entre os líderes coreanos resultou em um "tremendo progresso" e em boas notícias. Ele não comentou sobre o pedido de medidas recíprocas.

Apesar da aproximação de Pyongyang com Seul e Washington desde o início de 2018, as conversas para por fim ao programa nuclear norte-coreano estão paradas. No fim de agosto, Trump afirmou que as negociações não estavam avançando e cancelou a ida do secretário Mike Pompeo à Coreia do Norte.

Esta foi a terceira a reunião entre o ditador e Moon neste ano e a primeira na capital norte-coreana. O próximo passo será a visita que Kim prometeu fazer a Seul -será a primeira vez que um líder norte-coreano irá a capital.

DESTAQUES DOS EDITORES