Publicidade
Início de ano

Locações em Curitiba têm alta por causa das universidades

Região da Praça Santos Andrade é uma das mais procuradas pelos estudantes, por causa da UFPR
Região da Praça Santos Andrade é uma das mais procuradas pelos estudantes, por causa da UFPR (Foto: Franklin de Freitas)

Com o início das matrículas na Universidade Federal do Paraná (UFPR) e também na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), o mercado imobiliário de Curitiba esquenta e fica aquecido até março, pelo menos. São milhares de novos estudantes que chegam procurando uma moradia, principalmente de um ou dois quartos.
Só a UFPR recebe 5.180 novos alunos, aprovados no Vestibular 2019/2020. Destes, 52,97% são moradores de Curitiba. Isso quer dizer, que uma boa parte vem de fora, de cidades vizinhas, interior do Estado e de outros estados. A UTFPR também recebe estudantes de todo o País por meio do Sisu, que neste ano abriu mais de quatro mil vagas em 13 campus.

Mas, não são apenas as federais que atraem estudantes. Nos últimos anos, os novos estudantes das federais precisam disputar ofertas de locação com os de universidades particulares, como a Pontifícia Universidade Católica (PUCPR), Universidade Tuiuti (UP), Positivo e outras.
“Antes era mais a UFPR, mas agora as outras também têm muitos estudadantes vindos de fora”, conta o vice-presidente de Locação do Sindicato da Habitação do Paraná (Secovi), Leonardo Baggio. “Isso fica claro pela procura. Nesta época do ano as regiões mais procuradas para lcoação estão próximas das universidades, sejam públicas ou particulares.

Sobre o crescimento, Baggio explica que depende muito do tipo de moradia. Os de um ou dois quartos, pro exemplo — os preferidos pelos estudantes — chegam a ter aumento na procura de até 50%, dependendo da região. Na média geral, a alta gira entre 20% a 30%.
De acordo com a diretora-presidente da Gonzaga Imóveis, Marília Gonzaga, a estimativa é que o volume de negócios na imobiliária aumente em torno de 20% no primeiro trimestre de 2020, em comparação com o mesmo período de 2019, alavancada pelos novos estudantes que chegam à cidade.

Segundo Marília, o imóvel padrão escolhido pela maioria dos estudantes que vem de outra cidade, possuí um ou dois quartos, de preferência mobiliado e com valor de locação que varia entre R$ 1.000 e à R$ 1.600. A localização na região central ou próximos aos campus também é ponto importante para a redução de tempo e gastos com transporte.

“O estudante que vem de fora de Curitiba procura reduzir o tempo e dinheiro gasto com transporte. Por isso a opção de morar perto da própria universidade ou na área central, que facilita o acesso a todas as regiões da cidade”, explica.

Flexibilização

Imobiliária da Capital aceita que pais sejam os fiadores
A Gonzaga Imóveis tem uma política de flexibilização de atendimento aos estudantes. Um dos diferenciais ofertados pela imobiliária é a possibilidade de que jovens tenham como fiadores os próprios pais. Proprietários de imóveis também costumam abrir exceções nessa negociação e muitos permitem que o fiador seja dono de imóvel no interior ou outros estados, não necessariamente em Curitiba. Outra vantagem oferecida pela Gonzaga é o seguro-fiança gratuito para imóveis residenciais, que dispensa a necessidade de fiador.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES