Publicidade
PSDB

Luiz Abi recebeu sobras de campanha

Na denúncia apresentada ontem à Justiça, a força-tarefa da Lava Jato diz ter indícios de que o primo do ex-governador Beto Richa (PSDB), Luiz Abi Antoun foi destinatário de “sobras” de dinheiro de campanhas políticas do tucano. De acordo com os procuradores, o “operador financeiro” do esquema de cobrança de propina no pedágio foi beneficiado diretamente com pelo menos R$ 646,8 mil recebidos do Comitê Eleitoral de Richa em 9 de outubro de 2014 por intermédio de supostas prestações de serviços de locação de equipamentos - som ambulante, trios elétricos e palcos para comícios - que nunca existiram de fato.
Na denúncia, os procuradores apontam a existência de novas provas que reforçariam a necessidade da manutenção da prisão de Dirceu Pupo e evidenciam que ele, contador e procurador das empresas de Fernanda Richa e filhos, estava, na prática, subordinado diretamente a Beto Richa.
A denúncia revela que em dia 8 de agosto de 2018, antes de visitar a testemunha Carlos Albertini, Dirceu Pupo recebeu uma ligação do Comitê Eleitoral do PSDB em Curitiba. Além disso, registros telefônicos demonstraram que, na mesma data, pouco mais tarde, ocorreu um possível encontro de Dirceu Pupo com Beto Richa. Segundo o MPF, esses fatos revelariam indícios de que o ex-governador acompanhou a atuação de Pupo em face de testemunhas dos pagamentos em espécie.
Outros registros telefônicos demonstrariam que Pupo, no mesmo dia, procurou Valmir Maran, testemunha que recebeu pagamentos em espécie do grupo e que, a compra do lote do condomínio de luxo Beau Rivage, presenciou a entrega de R$ 930 mil em espécie feita pelo contador em nome da empresa Ocaporã.

DESTAQUES DOS EDITORES