Publicidade
Tragédia na Grande São Paulo

Massacre em escola deixa 10 mortos e 17 feridos em Suzano, na Grande São Paulo

Pais se aglomeram em frente ao portão da Escola Estadual Raul Brasil de Suzano, na Grande São Paulo, após tiroteio ocorrido
Pais se aglomeram em frente ao portão da Escola Estadual Raul Brasil de Suzano, na Grande São Paulo, após tiroteio ocorrido (Foto: Werther Santana/ Agência Estado)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Atiradores invadiram uma escola estadual de Suzano, na Grande São Paulo, deixam saldo de 10 mortes e 17 feridos. Destas vítimas, ao menos cinco são alunos que foram mortos nesta manhã de quarta-feira, 13. Segundo informações da Polícia Militar, dois homens encapuzados, que aparentam ser adolescentes, atiraram contra os estudantes e, em seguida, se mataram na escola Raul Brasil, na região central da cidade.

A PM informou que ao menos dois funcionários da escola também foram atingidos pelos disparos e morreu. A escola oferece ensino fundamental e médio e um centro de estudos de língua.

A reportagem conversou com Juliano Simões de Santana, vizinho da Raul Brasil. O morador disse que ouviu os disparos pouco após o início das aulas no período matutino.

"Moro ao lado, ouvi um tumulto e fui para lá. Cheguei e vi várias crianças saindo correndo ensanguentadas. Um desespero, professor, funcionário, todos correndo", afirmou.

Pouco depois de participar de coletiva de imprensa sobre as enchentes no estado, o governador João Doria (PSDB) cancelou sua agenda para o resto do dia e decidiu ir para Suzano para acompanhar de perto o ocorrido.

O coronel Marcelo Salles, comandante da Polícia Militar, o general João Camilo de Campos, secretário de Segurança Pública, e Rossieli Soares, secretário de Educação, acompanharão o governador.

Foram acionadas seis unidades de resgate dos Corpo de Bombeiros, três do Samu, dois de suporte avançado e dois helicópteros águia. A PM está enviando também ao local uma equipe do Gate porque junto aos adolescentes foram encontrados artefatos parecidos com bombas.

Dentro da escola, a polícia encontrou um arco e flecha e garrafas que aparentam ser coquetéis molotov. Há ainda uma mala com fios, e o esquadrão antibombas foi chamado.

A instituição foi isolada pela polícia e há muitos alunos e funcionários chorando ao redor.

DESTAQUES DOS EDITORES