Publicidade
Política em Debate

MDB de Requião abre portas para Meirelles

O MDB do Paraná, controlado pelo senador Roberto Requião, abriu as portas do Diretório Estadual do partido em Curitiba para receber o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, pré-candidato à presidência da República. Requião é um dos principais opositores à candidatura de Meirelles, chegando a colocar seu nome à disposição do partido para uma candidatura própria ao Planalto. O presidente do MDB Curitiba, Rafael Xavier, informou que o pedido de espaço para Meirelles foi feito pelo Diretório Nacional do MDB. Autorizada por Requião, Meirelles estará no diretório, no Batel, às 17 horas. Será entregue pelo presidenciável uma “Carta de Princípios para orientar um plano de Governo nacional e desenvolvimentista”. De acordo com a assessoria, apesar da discordância ideológica, outros candidatos que queiram podem visitar o diretório. “O MDB está aberto a recebe-los. É uma atitude democrática do partido, de ouvir a todos”, diz a assessoria.

Richa tem que lidar com Moro
Em meio ao intenso debate político-eleitoral, o ex-governador Beto Richa (PSDB), pré-candidato ao Senado, voltou a ter que lidar agora com a Força-tarefa Lava Jato, que pode minar sua campanha. A Justiça Eleitoral do Paraná devolveu ao juiz federal Sergio Moro, responsável por ações penais da Lava Jato, o inquérito que investiga se o ex-governador cometeu crimes no processo de licitação para duplicação da PR-323, no Noroeste do Estado.  A decisão de devolver o processo é da juíza eleitoral Mayra Rocco Stainsack. Em nota, Richa afirma que já apresentou recurso ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) por entender que a decisão unânime da Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça está sendo descumprida.

Francischini
A coligação com o PSL de Francischini está entre as principais incertezas no avanço das negociações por coligação. A legenda chegou a marcar convenção para o último sábado, mas desmarcou após recuo na possibilidade de aliança com Ratinho Jr. Sobre Franchini na chapa como candidato ao Senado, Ratinho ainda desconversa. “É um nome importante. Temos outros nomes também que estão colocando à disposição a candidatura. O próprio PSC, o próprio PSD tem candidaturas, o PR tem candidaturas, e, claro, agora temos o prazo de mais 15 dias para definir”, disse. Francischini agora corre atrás também da governadora Cida Borghetti (PP) para dar palanque ao presidenciável do PSL, deputado federal Jair Bolsonaro. “Pode trazer votos, mas traz também rejeição”, disse deputado do grupo de Cida.

Convenção 1
O PTC confirmou apoio à reeleição de Cida neste sábado em convenção. O ex-deputado estadual Tony Garcia (PTC), que chegou a lançar pré-candidatura ao Senado, não participou do evento e sua candidatura foi recusada na convenção. Não vamos lançar candidato a senador. O PTC não lança candidato a senador. Cida não pode participar, mas mandou representante. Vamos com nove candidatos a deputados e 16 para estadual. Vamos coligar com partidos que vão com Cida”, afirma o presidente do PTC, Ulisses Sabino Nogueira.

Convenção 2
No sábado, o PROS, presidido pelo deputado federal Toninho Wandscheer, confirmou apoio à reeleição da governadora Cida Borghetti (PP) em convenção conjunta com o PMB, o Partido da Mulher Brasileira, cujo presidente é Alisson Wandscheer, filho de Toninho. “É uma grande honra ser a primeira mulher a governar o Paraná” disse Cida. As legendas aprovaram ainda o apoio à candidatura ao Senado do deputado federal, Alex Canziani (PTB) que também participou das convenções. Tambem participaram da convenção o deputado federal Ricardo Barros (PP), os deputados estaduais Luiz Carlos Martins (PSB) e Maria Victoria (PP).

DESTAQUES DOS EDITORES