Publicidade

Mix de drama e comédia, 'Fleabag' pode ser a melhor minissérie deste ano

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - É quase obrigatório assistir a "Fleabag" neste momento. Não só porque sua criadora e protagonista, a brilhante Phoebe Waller-Bridge, de 33 anos, virou uma das principais vozes das mulheres modernas, mas também porque um programa tão bom quanto esse não surge assim tão frequentemente na TV. E, com duas temporadas com seis episódios de 30 minutos cada uma, já chegou ao final por vontade da autora.

"Fleabag" é um trabalho feito em fases. Nasceu como um stand-up escrito e atuado por Waller-Bridge em 2013 no Festival de Edimburgo, na Escócia. Chamou a atenção da BBC, que pediu uma adaptação para a TV, e estreou em 2016 na rede inglesa. A segunda temporada foi lançada neste ano e já pode ser vista na Amazon Prime Video. 

Entre uma temporada e outra, Waller-Bridge criou duas outras séries, uma em que atua, "Crashing" e uma em que não faz parte do elenco, "Killing Eve", pela qual Sandra Oh ganhou um Globo de Ouro neste ano. Daniel Craig, o 007 atual, convidou-a para supervisionar o roteiro do novo filme de James Bond, para levar seu toque humorístico e feminista para a franquia ultramasculinizada. E ela já tem um próximo projeto engatilhado, a série "Run", que estreia neste ano na HBO.   

Mas vamos ao seriado original, que segue as desventuras de Fleabag, a personagem principal, que não tem nome, uma jovem londrina sexualmente ativa, moralmente flexível, com um humor ácido mas que passa por um momento difícil. Sua mãe morreu três anos atrás, seu pai está namorando sua madrinha e sua melhor amiga e sócia se suicidou acidentalmente --isso mesmo, acidentalmente-- há pouco tempo. Ah, o café todo decorado com imagens de porquinhos da Índia do qual é dona vai mal, e ela precisa de dinheiro. 

Se a descrição da protagonista lembra a Hannah Horvath de "Girls", também vivida pela criadora da série, Lena Dunham, não desanime. Fleabag tem muito mais talento por trás e menos vontade de chocar por chocar. O programa vai bem mais fundo nas questões envolvidas na combinação de agonia e êxtase de estar vivo.

Se a heroína assusta um pouco, não se preocupe, ela se torna sua cúmplice toda vez que olha para a câmera e fala com o telespectador. E faz isso bastante, comentando e dando detalhes sobre os outros personagens, sempre com pensamentos inteligentes e irônicos. Fleabag é a amiga maluquinha que todo mundo gostaria de ter, a que não aceita as regras do mundo mas prefere rir das situações em vez de se entregar a elas.

Entre os coadjuvantes estão vários homens com quem ela transa, um namorado sensível com quem ela termina e volta algumas vezes, sua irmã executiva, seu cunhado alcoólatra, seu pai esquisitão e sua madrinha efusiva, interpretada pela ganhadora do Oscar de melhor atriz este ano, Olivia Colman (a rainha de "A Favorita"). Na segunda temporada, Kristin Scott Thomas faz uma participação como uma executiva lésbica que vê a menopausa como a liberdade das mulheres, depois de uma vida de dores físicas que já vem de fábrica. 

Poucos roteiristas lidam com questões fundamentais da existência humana com a dose exata de tragédia e esperança. E poucas atrizes tem o charme de Phoebe Waller-Bridge. Imperdível.

"Fleabag"

Classificação: Ótima

Outras séries de Phoebe Waller-Bridge: 'Killing Eve'

Série mostra um jogo de gato e rato entre a ex-agente do serviço secreto britânico Eve Polastri  (Sandra Oh, de "Grey's Anatomy") e a Vilanelle (Jodi Comer, de "The White Princess"), uma assassina profissional de origem russa.

Onde: Na Globoplay

'Crashing'

Waller-Bridge faz o papel de Lulu no programa. A série retrata um grupo de jovens que, em troca de um aluguel a preços módicos, passa a morar e trabalhar como segurança de um hospital desativado.

Onde: Netflix

'Run'

Nova série de Waller-Bridge e Vicky Jones, terá a atriz Merritt Wever no papel de uma mulher que leva uma vida enfadonha. Um dia, ela recebe uma mensagem de um ex que a convida a abandonar seu dia a dia e partir em uma nova jornada

Onde: Estreará na HBO, mas ainda não tem data

 

DESTAQUES DOS EDITORES