Publicidade
História

Morte de ‘padre voador’ no Paraná completa 10 anos

Morte de ‘padre voador’ no Paraná completa 10 anos
Adelir de Carli decola em Paranaguá (Foto: Reprodução de TV)

A morte do padre Adelir de Carli, que tentou voar com balões de gás, completa 10 anos nesta sexta-feira (20). Carli, que era padre em Paranguá (litoral do Paraná), pretendia fazer um voo de 20 horas, preso a balões de gás, para divulgar a pastoral que coordenava na cidade. Sua decolagem foi em 20 de abril de 2008, mas ele morreu na tentativa.

A ideia do padre era voar acima das correntes de vento, rumo a Oeste. Mas o plano não deu certo e ele acabou levado em direção ao oceano. Adelir de Carli, de 41 anos na época, foi dado como desaparecido no dia seguinte à decolagem. Segundo a Polícia Civil, ele caiu no mar e morreu por hipotermia. O corpo foi encontrado mais de três meses depois, em julho de 2008, na costa de Maricá (cidade do litoral do Rio de Janeiro). Ele foi sepultado em Ampére (sudoeste do Paraná).

Carli foi lembrado nesta sexta-feira em Paranaguá. Uma missa foi feita em homenagem a ele na Capela Divino Espírito Santo. A capela faz parte da Paróquia São Cristóvão, que era dirigida por ele.

Tentativas

Em 2013, o norte-americano Jonathan Trappe, gerente da área de tecnologia da informação na Carolina do Norte (EUA), decidiu fazer uma tentativa de cruzar o oceano Atlântico preso a balões de gás. E conseguiu. Antes, 12 pessoas tinham tentado essa travessia. Todas haviam fracassado, sendo que cinco morreram na aventura.

DESTAQUES DOS EDITORES