Publicidade
Imposto

Mudanças no IPTU e ISS de Curitiba avançam na Câmara

A comissão de Economia e Finanças da Câmara Municipal de Curitiba aprovou, nesta quinta-feira (30), pareceres favoráveis aos dois projetos do prefeito Rafael Greca (PMN), que mudam as regras para a cobrança do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) e do1 Imposto Sobre Serviços (ISS) da Capital. As duas propostas tramitam em regime de urgência, aprovado na última segunda-feira, a pedido do líder do prefeito na Casa, Pier Petruzziello (PTB). Ele justificou a pressa pelo princípio segundo o qual alterações na legislação tributária só podem entrar em vigor no ano seguinte à sua aprovação. A Câmara deve encerrar os trabalhos em duas semanas, e os projetos devem ser votados em primeiro turno, em plenário, na próxima segunda-feira.
Para acelerar a tramitação, a comissão fez uma reunião extraordinária para avaliar as duas propostas. Em relação ao IPTU, o projeto prevê reajuste de 4% para imóveis e 7% para terrenos sem edificação, além da correção da inflação do período medido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA) dos últimos 12 meses. A prefeitura alega que o aumento é o mesmo estipulado em 2014, na gestão anterior, do ex-prefeito Gustavo Fruet (PDT).
No caso do ISS, a proposta prevê que as alíquotas para os planos de saúde e as cooperativas de serviços vão aumentar de 2% para 4%. A área de feiras e congressos terá a alíquota de ISS reduzida de 5% para 2%.
Travas - A proposta já havia sido apresentada em março, junto com outras medidas do pacote de ajuste fiscal de Greca, mas foi retirada em agosto, após críticas dos vereadores e de categorias profissionais que seriam atingidos pelas alterações. O projeto original previa a extensão ou ampliação da cobrança sobre 22 categorias de profissionais liberais, entre eles advogados, médicos, entre outros, que atualmente pagam uma taxa fixa de R$ 1.130,00, e passariam a pagar 5% sobre o faturamento mensal. Pelo novo projeto, reapresentado no início de outubro, a prefeitura agora afirma que não há alteração na tributação das chamadas Sociedades de Profissionais, que abrangem essas categorias, entre elas advogados, médicos, arquitetos e economistas. Elas pagam ISS fixo por membro associado.
O chefe do Departamento de Rendas Imobiliárias da prefeitura, Sérgio Luiz Primo, presente na reunião, defendeu o sistema atual, em que travas controlam o porcentual do valor venal que é cobrado dos proprietários de imóveis da cidade. Se aplicasse o valor sem as travas, o aumento no imposto cobrado da população seria excessivo, fazendo com que não tivéssemos aumento da arrecadação, mas aumento da inadimplência, disse Primo.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES