Publicidade
Estelionato

Mulher que aplicava o golpe do aluguel no litoral do Paraná é presa em Santa Catarina

(Foto: PCPR)

Uma mulher foi presa no Litoral de Santa Catarina pela Polícia Civil do Paraná (PCPR).Ele é suspeita de aplicar golpes do "falso aluguel", onde "aluga" casas de veraneio que não existem. As investigações apontam que o fato de que ela teria lucrado mais de R$ 500 mil com os golpes.

A mulher é da região de Paranaguá, mas após a PCPR realizar operação Reserva Garantida, no último dia 22 de janeiro, onde dois outros golpistas foram presos, fugiu para o litoral de Santa Catarina, onde foi encontrada e presa, nesta manhã de terça-feira, 12. 

A operação Reserva Garantida teve dois mandados de prisão cumprido, em Curitiba e Paranaguá, além de dois mandados de busca e apreensão. 

A operação investigou os crimes de estelionato praticados por dois homens que simulavam a locação de casas para veraneio no litoral paranaense, ocasião em que exigiam depósitos prévios para supostamente garantir a locação. Os imóveis, na verdade, sequer existiam ou não estavam disponíveis para aluguel. Apesar do formato dos crimes serem iguais, as duas pessoas presas atuavam individualmente.

Mesmo depois dos depósitos, que ocorriam durante todo o ano, os investigados mantinham as vítimas envolvidas no golpe até o momento em que elas, entrariam na casa. Algumas vítimas acabaram se deslocando mais de mil quilômetros, ainda que o lucro com a prática criminosa já tivesse sido recebido.

Os investigados utilizavam nomes de várias pessoas, que não tinham qualquer relação com os criminosos, e ofertavam casas para veraneio na internet, sobretudo no site da OLX. Utilizavam fotos extraídas da internet e que correspondem a casas localizadas no litoral do Paraná.

Os dois investigados foram presos preventivamente e ficarão a disposição da PCPR para a continuidade das investigações.

A PCPR orienta que as vítimas de tais crimes procurem a Delegacia da Polícia Civil do Paraná em Matinhos, ou outra mais próxima, para denunciar a ocorrência de casos como estes.

DESTAQUES DOS EDITORES