Novo diretor da Berlinale mantém compromisso político do evento

A partir de quinta-feira, 20, e até o domingo, 1º, Berlim veste-se de gala para sediar o evento de cinema mais político do mundo. É a edição de número 70 do festival e a primeira seleção de Carlo Chatrian, italiano que, até recentemente, fazia a curadoria do Festival de Locarno e agora é o novo diretor artístico da Berlinale. Chatrian manteve o comprometimento social e político de seu antecessor, Dieter Kosslick, mas já é possível perceber sua independência. A Berlinale muitas vezes foi acusada de sacrificar a estética à política. Com ele, Berlim busca conciliar interesses: política + cinema autoral.

Com 18 filmes na disputa pelo Urso de Ouro, a seleção contempla grandes diretores internacionais - Hong Sang-soo (The Woman Who Ran), Philippe Garrel (Le Sel des Larmes), Ritty Panh (Irradiated), Tsai Ming-liang (Days), Christian Petzold (Undine) - com novos talentos emergentes, incluindo os brasileiros Marco Dutra e Caetano Gotardo, que farão sua estreia na Berlinale, e a argentina Natalia Meta, com El Prófugo (O Intruso).

Autores frequentes na seleção berlinense, como a britânica Sally Potter, de The Roads Not Taken, estarão de volta. A seleção dos EUA inclui o sempre visceral Abel Ferrara, com Siberia. Há grande curiosidade por um dos concorrentes alemães - Berlim Alexanderplatz, de Burhan Qrbani, transpõe para a atualidade e condensa o livro de Alfred Doblin que Rainer Werner Fassbinder transformou numa minissérie de mais de dez horas em 1980.

Ao divulgar sua primeira seleção berlinense, Chatrian disse: "Os filmes da competição contam histórias íntimas, impressionantes, individuais e coletivas, que têm efeito duradouro e ganham impacto com a interação com o público. Se houver predominância de tons escuros, isso pode ser porque os filmes que selecionamos tendem a olhar o presente sem ilusão, não para causar medo, mas porque querem abrir nossos olhos para a realidade".

O júri que vai outorgar os Ursos de Ouro e Prata será presidido pelo ator britânico Jeremy Irons. Entre os seus integrantes está o diretor brasileiro Kleber Mendonça Filho, de Aquarius e Bacurau, além de Bérénice Bejo (Argentina/França), Bettina Brokemper (Alemanha), Annemarie Jacir (Palestina), Kenneth Lonergan (EUA) e Luca Marinelli (Itália).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.