Publicidade
Olho no fim do ano

Número de acidentes cai 25% nas rodovias federais do Paraná

Ontem, PRF e Litoral Sul realizaram a cent\u00e9sima edi\u00e7\u00e3o do Serra Segura
Ontem, PRF e Litoral Sul realizaram a cent\u00e9sima edi\u00e7\u00e3o do Serra Segura (Foto: Franklin de Freitas)

Os números de acidentes, feridos e mortes nas rodovias federais que cruzam o Paraná estão em queda. De janeiro a novembro deste ano, segundos dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF), foram 7.211 acidentes em trechos federais, com 5.584 pessoas com ferimentos leves, 1.854 feridos graves e 454 mortes no local dos acidentes. A redução mais significativa é a de acidentes, que caiu 25% em relação ao mesmo período de 2017, quando foram 9.623 ocorrências, 2.412 a mais. Na média, significa sete acidentes a menos por dia.
Os caso de feridos leves também caíram bastante. Foram 6.580 de janeiro a novembro de 2017 (15% a mais que neste ano); feridos graves foram 1.988 (7% maior que em 2018) e mortes 566 (19,7% superior ao verificado agora). Em ambos os anos, o mês com maior concentração de acidentes foi março. Em 2017 foram 968 casos e em 2018 778. O mês menos violento em 2017 foi setembro, com 794 ocorrências atendidas e em 2018 foi maio, com 529 acidentes.
No Paraná, a malha rodoviária federal tem cerca de 4 mil quilômetros de extensão, divididas em 72 trechos. As principais rodovias são a BR-376, BR-277, BR-116, BR-476 e a BR-369. As quatro primeiras cortam a Grande Curitiba.
Operações
Até o final do ano, a PRF, em parceria com outras instituições, realiza a Operação Rodovida em todo o território nacional, e que visa reforçar a segurança nas rodovias federais durante os meses de férias e da temporada de verão. Criada em 2011, a Operação Integrada Rodovida é uma ação do governo federal, capitaneada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio da PRF, em integração com os Ministérios das Cidades, da Saúde e dos Transportes, Portos e Aviação Civil, além de estados e municípios.
Na operação de 2016, a PRF registrou uma redução de 29% no número de acidentes graves nas rodovias federais.
Serra Segura
Ontem, a PRF também realizou, em Curitiba, a centésima Operação Serra Segura, em parceria com a Concessionária Autopista Litoral Sul. O objetivo principal da Operação Serra segura é fiscalizar as condições dos freios, suspensão, pneus e sistema de direção dos caminhões que transitam pelas rodovias federais.
Ontem, 46 caminhões foram fiscalizados, com 66 autos de infração emitidos e 12 caminhões removidos ao pátio. Outros 18 tiveram seus documentos retidos para regularização e posterior vistoria.

Cerca de 28% dos caminhões apresentam irregularidades, mostra o Serra Segura
Ontem, foi realizada a centésima Operação Serra Segura na BR-376, uma iniciativa que une concessionárias de rodovias pedagiadas e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) na fiscalização de caminhões que trafegam nos trechos. Durante a operação, os veículos são abordados e passam por uma vistoria de checagem das condições de pneus, freios e outros. Desde que teve início, em 2014, a operação já vistoriou 9.045 caminhões e, encontrou irregularidades em cerca de 28% deles — 2.522 caminhões tinham ao menos uma irregularidade grave.
As principais irregularidades encontradas durante as operações já realizadas foram pneus em mau estado de conservação, problemas no sistema de freios (eixos com freio isolado ou peças desgastadas, por exemplo), problemas nos sistemas de suspensão e direção e irregularidades no tacógrafo.
Mas, desde o início da Operação Serra Segura, o trecho da BR-376 entre Curitiba e Santa Catarina teve redução dos números de ocorrências. Em 2014 foram 1.143 acidentes e no ano passado 703. Os óbitos cairam de 34 para 21 entre os dois anos.

BRs 376 e 277 lideram as estatísticas de ocorrências, segundo relatório
Entre as rodovias federais que cortam o Paraná, duas se destacam em relação à quantidade de acidentes — a BR-376 e a BR-277. Nelas foram registradas de janeiro a novembro deste ano 1.900 e 1.827 acidentes respectivamente. Contudo, não se trata de afirmar que sejam as mais violentas no Estado, já que conta a extensão de cada rodovia e as suas condições de uso.
No caso das duas mencionadas, elas estão entre as mais extensas do Estado. A BR-376 tem trechos desde o Norte do Paraná até a divisa com Santa Catarina, praticamente cruzando o Estado de Norte a Sul, em mais de 500 quilômetros de percurso. A BR-277, igualmente, corta o Estado de Paranaguá a Foz do Iguaçu, por 730 quilômetros, constituindo-se numa rodovia federal genuinamente paranaense, já que começa e termina dentro do Paraná.
Para efeito de comparação, a BR-280, no Sudoeste do Estado, tem apenas 63 quilômetros em território paranaense, mas no seu trecho ocorreram 28 acidentes neste ano, com 41 pessoas feridas e quatro mortes.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES