Publicidade
Rubro Negro

Os sete desafios de Claudinei Oliveira no Atlético

Claudinei Oliveira assumiu ontem o comando do Atlético Paranaense. Ele passa a comandar um time no meio da tabela do Campeonato Brasileiro, em 10º lugar, sete pontos acima da zona de rebaixamento e oito abaixo do G4. E terá pela frente uma série de desafios. Receberá um elenco formado por novatos e sem veteranos. Um time que joga com pressa excessiva e comete falhas repetidas em todos os setores: defesa, meio-campo e ataque. E não poderá contar com o suporte diretoria do clube, que mais demite treinadores do que contrata reforços de qualidade. O treinador também terá pouco tempo para treinar nesse mês.

SEM VETERANOS
Claudinei Oliveira gosta de dar oportunidades para jogadores jovens, mas sempre contou com veteranos em funções-chave das suas equipes. No Atlético, não há veteranos. No Santos-2013, Claudinei contava com Aranha (33 anos), Edu Dracena (33), Cícero (30), Montillo (30), Arouca (28) e Thiago Ribeiro (28). No Paraná-2014, tinha Marcos (38 anos), Lúcio Flávio (35), Gustavo (32), Edson Sitta (31) e Giancarlo (31).

REFORÇOS BARATOS
Se a falta de veteranos é um problema, o novo técnico do Atlético poderia então pedir reforços experientes? Pode até pedir, mas dificilmente terá uma resposta satisfatória. A diretoria do clube já deu sinais que não gastará com futebol em 2014. No máximo, virão reforços da Série B, C ou D. Claudinei terá que usar sua criatividade e seus contatos nos bastidores para vasculhar contratações boas e baratas. Se depender da diretoria do Atlético, ficará em situação complicada.

SISTEMA DEFENSIVO
O Atlético é o time que mais sofreu gols no Brasileirão: 25. É também quem mais permite finalizações dos adversários, com média de 14,7 por jogo. Os problemas não estão restritos à dupla de zagueiros. Os laterais Natanael e Sueliton são os melhores do campeonato no aspecto ofensivo, mas têm graves problemas defensivos. Inexperiente, o time marca mal a saída de bola do adversário e cede espaços no meio-campo. Na crise defensiva, só o goleiro Weverton se salva.

SISTEMA OFENSIVO
Marcelo entrou em má fase depois da transferência para o Corinthians ter fracassado. Douglas Coutinho só se destaca no contra-ataque. Cléo é o único centroavante do elenco. Depende do resto do time para produzir algo. Mosquito é talentoso, mas mostrou que não está pronto para o profissional. Bruno Mendes vive péssima fase. O vigor físico de Dellatorre é uma das poucas esperanças de melhorar o rendimento ofensivo.

MEIO-CAMPO
O Atlético é o 18º em posse de bola do Brasileirão, com 45%, e quem mais erra passes (27% das tentativas). Na maior parte do tempo, o meio-campo não consegue prender a bola, inverter o jogo e esperar a passagem dos laterais. É um time frenético, que não pensa o jogo. Bady, 25 anos, é o veterano do setor. Marcos Guilherme, 19 anos, e Nathan, 18, não conseguem cadenciar o jogo. Dos volantes, só João Paulo contribui para a armação.

IMPACIÊNCIA
Desde 2004, a impaciência da torcida atleticana vem aumentando na mesma proporção que o preço do ingresso. Claudinei terá que lidar com vaias e xingamentos a cada passe errado em campo. A pressão da arquibancada, porém, não é o maior problema. A diretoria do Atlético é intolerante e incoerente com os profissionais do futebol. Demite treinadores em momentos absurdos e de forma temperamental. Os dirigentes não conseguem sequer trabalhar em parceria com um diretor de futebol.

TEMPO PARA TREINAR
Claudinei Oliveira terá pouco tempo para treinar nas próximas seis rodadas do Campeonato Brasileiro. Até o final de setembro, o time jogará toda quarta-feira e todo fim de semana. Nesse período, a missão de corrigir a equipe será na base do diálogo. Ele só ganhará um tempo depois do jogo de 28 de setembro, quando terá cinco dias de treinos antes da partida de 4 de outubro. Para colocar o Paraná Clube nos trilhos, Claudinei teve um mês durante a pausa para a Copa do Mundo.

Na Arena

Sacoman reprovado
O zagueiro Diego Sacoman foi reprovado no exame médico e não será mais reforço do Atlético. O jogador estava na Ponte Preta, que receberia em troca os direitos econômicos do volante Juninho, que foi emprestado para a equipe de Campinas. O técnico Claudinei Oliveira define hoje o time para o jogo de domingo, contra o Palmeiras, na Arena da Baixada. O lateral-direito Sueliton, que não atuou na quarta-feira devido a lesão, é dúvida. Caso não se recupere, Mário Sérgio segue no time titular. Outros desfalques são o atacante Douglas Coutinho e o zagueiro Léo Pereira, que estão com a seleção sub-21.

Público pagante
O jogo de quarta-feira contra o América-RN recebeu 17.369 pagantes. Foi a primeira partida oficial do Atlético com torcedores na nova Arena da Baixada. Desse total, eram 16.148 sócios. Ou seja, apenas 1.221 ingressos foram vendidos. A entrada custava o mesmo valor que uma mensalidade do plano de sócios (varia de R$ 150 a R$ 800).



DESTAQUES DOS EDITORES