Publicidade
Negociações

Osmar Dias busca alternativas além do MDB de Requião

Pré-candidato conversa com PRB e PPS e critica convenções que não decidem
Osmar Dias busca alternativas além do MDB de Requião
Osmar admite dificuldades (Foto: Franklin de Freitas)

Ainda isolado de partidos com tempo de televisão e rádio no programa eleitoral e com fundo partidário que poderia reforçar sua campanha, o ex-senador Osmar Dias (PDT), pré-candidato ao governo do Paraná, disse ontem em entrevista ao Bem Paraná que está aberto para alianças com PRB, partido ligado à Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), e PPS, presidido pelo deputado federal Rubens Bueno. Ambas as legendas, que ainda não bateram o martelo para fechar coligação na corrida ao Palácio Iguaçu, também negociam com o deputado estadual Ratinho Jr (PRB), que oficializou sua candidatura ao governo em convenção no último sábado.

Enquanto Osmar não se decide, em convenção, o MDB do Paraná, presidido pelo senador Roberto Requião, deixou para a executiva estadual a decisão sobre majoritária, enquanto o nome deputado federal João Arruda (MDB) ao governo do Estado ´corre por fora´. O pedetista disse que está conversando, mas nega a informação de que teria uma reunião marcada com Requião para fechar o acordo.

“Estamos conversando, não vou colocar nenhum obstáculo, mas não sei de onde tiraram que me reuni com Requião. Tem vários partidos que ainda não decidiram e eu estou conversando com todos. Tem o PRB que não definiu, o PPS não definiu. Não conversei com Requião agora. É claro, todo mundo procura formar uma aliança que seja competitiva. Mas quando é para fazer troca por fundo partidário, por tempo de TV, eu não faço. Deixo bem claro: sem fundo partidário e sem promessa de cargo no governo. Quando dizem que sou difícil de negociar é por isso. Não sei se isso é bom ou ruim”, disse Osmar.

Na semana passada, em Brasília, Osmar se reuniu com o presidente nacional do PRB, Marcos Pereira. Segundo o pedetista, a conversa com o partido avançou. Isso seria uma das causas de a legenda não ter ainda oficializado apoio à candidatura de Ratinho Jr, apesar da presença de diversos integrantes da legenda na convenção do PSD. Osmar afirma que aguarda a decisão do PRB, que sua campanha está de portas aberas. “O PRB estava fechado com Ratinho, tinha visto com (Edson) Campagnolo (para vice). Eu respeito a posição do partido e vou aguardar”, disse Osmar.

O principal problema da campanha é a falta de recursos. Somente com o fundo partidário do PDT e SD, único partido na coligação atualmente, Osmar admite que terá dificuldades. “A pior parte minha é essa, não tenho recurso para campanha. Se eu fizer uma convenção como essa que vi (de Ratinho Jr) acabou o dinheiro da campanha. Não sei se é bonito ou é feio”, ironiza.

Com a convenção do PDT marcada para o dia 4 de agosto, Osmar criticou a realização de convenções em que os integrantes delegam às executivas a decisão de montar a chapa. Tanto PSD de Ratinho quanto MDB de Requião encerraram suas convenções com atas em aberto. “Essas convenções que são feitas e não definem nada não sei para que servem”, diz Osmar.

Em um recado velado a Requião que cobra uma aliança, Osmar afirma que o tempo de TV pode não ser determinante na campanha. “Em 2010 eu tinha bastante tempo na TV, mas passei metade do tempo explicando aliança. O tempo grande de TV me prejudicaria”, afirma. Em 2010, Osmar se aliou a Requião e ficou em segundo lugar nas eleições ao governo do Estado, perdento para o ex-governador Beto Richa.

O vice-presidente do MDB do Paraná, deputado estadual Anibelli Neto, um dos encarregados de articular a aliança com Osmar, afirmou ontem que a juventude do partido sairá em campanha para Arruda, “enquanto Osmar não decide”. 

DESTAQUES DOS EDITORES