Publicidade
Operação Quadro Negro

Pagamentos de Richa por 'silêncio' de delator seguiram até agosto de 2017, diz Gaeco

Fanini: últimos repasses teriam sido feitos por intermediário de operador financeiro do esquema
Fanini: últimos repasses teriam sido feitos por intermediário de operador financeiro do esquema (Foto: reprodução/TV)

Na denúncia que embasou a nova prisão do ex-governador Beto Richa (PSDB), hoje, dentro da Operação Quadro Negro, que investiga desvio de recursos para construção e reforma de escolas, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) afirma que os pagamentos do grupo político do tucano para a suposta “compra” de silêncio do delator do caso, o ex-diretor-geral da Secretaria de Estado da Educação, Maurício Fanini, teriam seguido até agosto de 2017.

Fanini foi preso a primeira vez, em julho de 2015, mas foi solto dez dias depois. Acabou sendo detido novamente em setembro de 2017. De acordo com a denúncia, para evitar que ele firmasse acordo de delação e contasse o que sabia sobre o esquema, o ex-governador teria encarregado o empresário Jorge Atherino – apontado como operador financeiro do grupo – a fazer repasses mensais ao ex-diretor.

Leia mais no blog Política em Debate.

DESTAQUES DOS EDITORES