Publicidade
Exterior

Painel formalizará acusação de genocídio em Mianmar

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Conselho de Direitos Humanos da ONU votou nesta quinta-feira (27) a favor da criação de um painel que irá formalizar acusações criminais contra Mianmar, em meio a denúncias de genocídio contra a minoria étnica muçulmana rohingya, desde 2011.

A votação da resolução, apresentada em conjunto pela União Europeia e pela Organização da Cooperação Islâmica, teve 35 votos a favor, três contra e sete abstenções. China, Filipinas e Burundi votaram contra.

O embaixador de Mianmar, Kyaw Moe Tun, disse que a resolução se baseou em um relatório que seu governo categoricamente rejeitou e que é desequilibrado e enviesado, além de encorajar a desunião do seu país.

"A resolução é baseada em acusações sérias, porém não verificadas, e recomendações que podem até colocar em perigo a unidade nacional do país", disse o diplomata.

Ele afirmou que a linguagem intrusiva da resolução e as demandas feitas não contribuem para uma solução permanente para a situação delicada no estado de Rakhine.

Relatório apresentado na semana passada diante do conselho afirmou que o Exército de Mianmar, conhecido como Tatmadaw, cometeu contra os rohingya "os mais graves crimes sob a lei internacional".

O texto de 440 páginas inclui relatos como os de mulheres amarradas pelos cabelos ou pelas mãos para serem estupradas; crianças que tentavam fugir de casas incendiadas mas foram forçadas a voltar para dentro; o uso difundido de tortura com varas de bambu, cigarros e cera quente; e minas terrestres colocadas nas rotas de fuga dos vilarejos atacados.

O grupo pede que as altas lideranças militares, entre elas o comandante-em-chefe Min Aung Hlaing, sejam processados por genocídio, por crimes contra a humanidade e por crimes de guerra.

Mais de 700 mil rohingyas fugiram para Bangladesh desde agosto do ano passado, quando a operação militar contra eles no estado de Rakhine recrudesceu.

Os últimos tribunais "ad hoc" para acusações de genocídio tiveram como alvo autoridades de Ruanda, ex-Iugoslávia e Camboja.

O Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia funcionou de maio de 1993 a dezembro de 2017, período durante o qual julgou 111 processos. O mais notório deles foi o do presidente da Sérvia Slobodan Milosevic, que se tornou o primeiro chefe de Estado indiciado por crimes de guerra. Ele morreu antes do fim do julgamento.

O Tribunal Penal Internacional para Ruanda funcionou de 1994 a 2015. O julgamento de Jean-Paul Akayesu, prefeito de uma comuna de Ruanda, estabeleceu o precedente "estupro genocida". Ele foi condenado por nove acusações de genocídio e condenado à prisão perpétua, que cumpre em Mali.

O chamado Tribunal do Khmer Rouge teve início em 1997 e ainda está em funcionamento. Um dos processados foi Kang Kek Lew, conhecido como Camarada Duch, por crimes contra a humanidade. Nuon Chea, mão direita do líder cambojano Pol Pot, foi condenado por crimes contra a humanidade e ainda enfrenta processo por genocídio.

DESTAQUES DOS EDITORES