Publicidade
Agronegócio

Paraná lança normas de biossegurança para suínos

Portaria que regulamenta os novos padrões entra em vigor em 17 de novembro
Paraná lança normas de biossegurança para suínos
Granja de suínos com segurança (Foto: Arnaldo Alves/ANPr)

O Paraná tem um novo guia de práticas para propriedades dedicadas à criação de suínos. A Portaria  265, elaborada pela Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, é a primeira do país a regulamentar a biosseguridade em granjas de suínos. O objetivo do documento é garantir a prevenção e o controle de doenças infecciosas na criação desses animais.
A Portaria entra em vigor em 17 de novembro, 60 dias após a data de publicação. A partir daí, os produtores terão um ano para adequação das granjas de produção de suínos comerciais. A Adapar, que também será responsável pela fiscalização das propriedades, está à disposição dos produtores para esclarecimentos e orientações.Hoje, cada empresa adota seus critérios para biosseguridade, seguindo um padrão mínimo. Com a nova proposta, o Estado vai garantir maior qualidade sanitária para os rebanhos.
A Adapar vem trabalhando nesta norma há alguns meses. “Ganhamos muita experiência com as normas de biosseguridade da avicultura, adotadas no Paraná nos últimos anos”, explica o gerente de Saúde Animal da Adapar, Rafael Gonçalves Dias. “A Portaria foi elaborada com base nas recomendações da Embrapa Suínos e Aves. Ouvimos também o setor produtivo, que ajudou a elaborar as normas após reunião do Conselho Estadual de Sanidade dos Suínos (Coesui)”, acrescenta.
Entre os principais pontos da normativa está a estrutura física das propriedades, que precisa ser avaliada. Cerca de isolamento, vestiários, embarcadouros e desembarcadouros, locais de armazenamento de ração e insumos, compostagem e a água fornecida aos animais são alguns dos itens regulamentados pela Adapar.
Com o fim do prazo de 12 meses para readequação, os proprietários que não tiverem efetivado as melhorias podem ser impedidos de alojar animais enquanto não respeitarem as orientações da Portaria.
 

DESTAQUES DOS EDITORES