Publicidade
15 jogos de jejum

Paraná luta, mas perde para o Bahia e alcança recorde histórico de jogos sem vitória

(Foto: Felipe Oliveira / Bahia)

O Paraná Clube alcançou mais um recorde negativo no Campeonato Brasileiro. Jogando no Estádio de Pituaçu na noite deste sábado (13 de outubro), a equipe paranista até lutou. Teve ótimas chances para abrir o placar contra o Bahia. Se defendeu com qualidade. Contou com grandes defesas de Richard. Mas nos minutos finais da partida, quando o clima começava a ficar tenso para os mandantes, o meia Vinicius, que já passou pelos três times da Capital, marcou dois gols para selar a vitória baiana.

Agora, o time da Vila Capanema soma 15 jogos sem vitória no Brasileirão com quatro empates e 11 derrotas. Com isso, igualou as piores sequências da história da competição, ao lado de São Caetano (2006) e América-RN (2007). A equipe não sabe o que é vencer desde 22 de julho, pela 14ª rodada, quando derrotou o América-MG por 1 a 0.


Com 17 pontos, o Paraná permanece isolado na lanterna do Campeonato Brasileiro. Na próxima rodada, pode bater o recorde histórico de jogos sem vitória. A partida será na Vila Capanema contra o Flamengo, no domingo (21 de outubro), às 19 horas.

Já o Bahia encerra uma sequência de cinco jogos sem vencer e alcança os 34 pontos, na 12ª colocação. Com ingressos a R$ 10, a torcida lotou as arquibancadas.


HISTÓRICO

O Bahia só perdeu como mandante para o Paraná Clube uma vez na história. Foi em 1995, por 2 a 0, com gols de Silvio e Luis Carlos Mattos. Depois daquele confronto, foram nove derrotas paranistas em solo baiano e um empate.

ESCALAÇÃO

O técnico Claudinei Oliveira armou a equipe com novidades. Nas laterais, Júnior e Igor, recuperados de lesão, assumem a titularidade. Rayan entrou na zaga enquanto Grampola ganhou mais uma oportunidade no ataque. Ficaram de fora o lateral-esquerdo Mansur (suspenso), o zagueiro Charles e o volante Torito (lesionados).

No Bahia, Enderson Moreira não contou com o lateral Nino Paraíba, o zagueiro Jackson e o volante Elton. O técnico, então, optou por um meio de campo mais técnico, com Flávio ao lado de Gregore, avançando com frequência para apoiar Ramires e Zé Rafael.

PRIMEIRO TEMPO

Empurrado pela torcida, que lotou o Estádio de Pituaçu, o Bahia tentou pressionar desde o início da partida, marcando o adversário no campo de ataque. A estratégia até deu certo e o Paraná ficou acuado, mas ainda assim soube se postar bem na defesa e negou os espaços ao adversário no último terço do campo, “amarrando” a partida.

A primeira – e melhor – chance de gol da primeira etapa foi do time visitante. Aos 15 minutos, após linda troca de passes curtos e rápidos, Deivid ficou cara a cara com o goleiro Douglas, mas chutou mal e desperdiçou uma oportunidade incrível.

O Bahia, por sua vez, teve três chances de gol, aos 22, 43 e 48 minutos. A equipe tinha como ponto forte as jogadas pelas laterais, mas foi só no final do primeiro tempo, jogando com a bola no chão (passes curtos), que conseguiu melhorar a produção ofensiva mais significativamente.


SEGUNDO TEMPO

Mantendo o ritmo dos últimos minutos da etapa inicial, o Bahia voltou com tudo para o segundo tempo. Logo com dois minutos, Zé Rafael obrigou uma grande defesa de Richard. Em verdade, a primeira de uma série de intervenções do goleiro paranista.

Como o gol não saía, Enderson Moreira mexeu na equipe pela primeira vez aos 23 minutos e logo partiu para o tudo ou nada, com o meia-atacante Vinicius (que já defendeu o Trio de Ferro) no lugar do lateral-direito Bruno (Flávio foi para a lateral). No Paraná, Claudinei Oliveira apostou na entrada do jovem Andrey no lugar de Deivid. Mais tarde, ainda entrariam Edigar Junio e Nilton no time da casa, enquanto Nádson e Jhony foram as opções acionadas pelo time visitante.

Com o passar do tempo, o Bahia foi reduzindo a pressão sob o adversário e o clima no estádio foi ficando mais tenso. O Paraná teve uma grande chance aos 30, com Andrey. Não marcou. E foi castigado nove minutos depois: Vinicius acertou uma linda cobrança de falta e abriu o placar em Salvador. Cinco minutos depois, o jogador formado na Vila Capanema ainda marcou o seu segundo gol, dando números finais ao jogo.


FICHA TÉCNICA

Bahia
2 x 0 Paraná

Bahia: Douglas Friedrich; Bruno (Vinicius), Douglas Grolli, Lucas Fonseca e Léo; Gregore, Flávio, Ramires, Zé Rafael (Edigar Junio) e Élber (Nilton); Gilberto. Técnico: Enderson Moreira.
Paraná: Richard; Júnior (Jhony), Renê Santos, Rayan e Igor; Leandro Vilela, Alex Santana, Deivid (Andrey) e Juninho; Rafael Grampola e Silvinho (Nádson). Técnico: Claudinei Oliveira
Gols: Vinicius (39 e 44-2º)
Cartões amarelos: Juninho, Andrey, Jhony (P), Zé Rafael (B)
Árbitro:
Jean Pierre Goncalves Lima (RS)
Público: 29.215 pagantes (29.328total)
Renda: R$ 256.229,00
Local: Estádio de Pituaçu, em Salvador (BA), sábado (13/10) às 21 horas

 

PRINCIPAIS LANCES

Primeiro tempo


15 – Linda triangulação no meio de campo, com passes curtos e rápidos. Deivid tabela com Alex Santana e fica livre, de frente para o gol. Ele bate mal e o goleiro segura.

22 – Léo recebe passe perto da linha de fundo e cruza para Ramires. O jogador do Bahia entra com liberdade na área e cabeceia no contrapé de Richard, que só pôde torcer para a bola não entrar. E deu certo: foi por cima do gol.

28 – Com a muralha paranista na frente da área, Ramires arrisca o chute de longe e manda por cima do gol.

 

35 – Gilberto recebe na direita e chuta firme, ao lado do gol.

43 – Bela tabela pela lateral direita. Ramires avança e cruza na medida para Zé Rafael chutar rasteiro, de primeira. A bola passa rente à trave.

48 – Cobrança de falta de Zé Rafael. Ele coloca a bola por cima da barreira, no ângulo, mas Richard se estica e espalma.

Segundo tempo

2 – Bruno recebe na direita e cruza na cabeça de Zé Rafael. O meia-atacante testa firme e Richard espalma.

12 – Deivid puxa o contra-ataque e ajeita para Juninho bater colocado, em cima de Douglas.

13 - Zé Rafael toca para a passagem de Élber, que cruza rasteiro. Ramires tenta a finalização e Richard trava. No rebote, Zé Rafael chuta mais uma vez e o goleiro faz outra grande defesa.

19 – Flávio chuta forte da entrada da grande área e obriga grande defesa de Richard.

30 – Jogada rápida de Silvinho, que cruza rasteiro para a área. Grampola fura e a bola sobra para Andrey, de frente para o gol. Mas o jovem pega muito mal na bola e desperdiça.

39 – Gol do Bahia! Cobrança de falta da entrada da área. Vinicius bate colocado, lá onde a coruja dorme. Richard não teve nem reação...

44 – Gol do Bahia! Léo tenta o cruzamento, a bola desvia na zaga e sobra na segunda trave para Vinicius, livre dentro da área, correr mais uma vez para o abraço.

DESTAQUES DOS EDITORES