Publicidade
Política em Debate

Páreo em dobro para duas vagas

Por enquanto, concorrem às duas vagas em disputa no Senado neste ano os ex-governador Beto Richa (PSDB), a deputada federal Christiane Yared (PR), o deputado federal Fernando Francischini (PSL), o deputado estadual Ney Leprevost (PSD), o ex-senador Flavio Arns (Rede), o deputado federal Rubens Bueno (PPS),  o deputado federal Alex Canziani (PTB), o ex-presidente do Grupo Positivo Oriovisto Guimarães (Podemos) e o ex-vereador de Santa Cruz do Monte Castelo José Maria Boni (PRTB).

 Pendentes
O senador Roberto Requião também afirma que pode concorrer à reeleição, embora se coloque como pré-candidato ao governo do Paraná. O PT, do ex-deputado federal e pré-candidato ao governo Doutor Rosinha, deve indicar um nome ou seu apoio em meados de maio. O PSOL, segundo o presidente estadual da legenda Leandro Dias, de Ponta Grossa, realiza plenária neste sábado (28) em Curitiba para decidir entre Professor Piva, Rodrigo Tomazini e Thiago Bagatin para disputa pelo Palácio Iguaçu, e André Melão, Jaqueline del Nobile e Mariane Siqueira para o Senado.

A escolha de Leprevost
O Diretório Municipal do PSD decidiu em reunião indicar Ney Leprevost como pré-candidato único do PSD de Curitiba a deputado federal, caso ele aceite a indicação para concorrer a esta vaga. O deputado estadual, no entanto, ainda não definiu seu destino, mas afirma que na próxima semana vai anunciar se inicia uma pré-campanha para deputado estadual ou deputado federal. Ele também afirmou que não  descartou a hipótese de ser candidato a Senado.. “Esta outra decisão será tomada somente no final do mês de julho, período em que serão realizadas as convenções partidárias e mediante avaliação das circunstâncias políticas do momento”, afirmou.
Picler anuncia pré-candidatura em PSL O professor Wilson Picler, presidente do Grupo Uninter, decidiu lançar sua pré-candidatura ao Senado pelo PSL, do presidenciável Jair Bolsonaro (RJ), em dobradinha com o também pré-candidato pela legenda Fernando Francischini. “Vou fazer uma campanha de respeito aos adversários, sem confronto ou combate de qualquer espécie, mas estamos construindo uma candidatura que represente uma alternativa nova e as mudanças almejadas pelos brasileiros e paranaenses”, disse Picler em entrevista à TV Transamérica.

Suplicy faz visita surpresa para juíza
Depois de ir ao prédio da Polícia Federal para tentar visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o vereador de São Paulo Eduardo Suplicy (PT) se encontrou ontem, com a juíza da 12ª Vara de Execuções Penais de Curitiba, Carolina Lebbos, que já barrou uma série de aliados que pediram autorização para visitar o ex-presidente na sala especial onde está preso. Sem marcar horário, Suplicy foi ao prédio da Justiça Federal, na capital paranaense, e foi atendido por Carolina. Na sequência, em entrevista à imprensa, o parlamentar afirmou que vai recorrer ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, e depois ao Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir que Lula receba visita de amigos. Conforme relato de Suplicy, a magistrada alegou que o indeferimento às visitas está fundamentado em regras da Polícia Federal, responsável pela custódia de Lula. O petista e outros aliados evocam as chamadas “Regras de Mandela”, da Organização das Nações Unidas (ONU), para alegar que visitas de amigos e médicos são garantidas a pessoas que cumprem penas no sistema prisional.

Contra secretarias
Depois do anúncio do governo Cida Borghetti (PP) da reativação da Secretaria Estadual do Trabalho e de separação das atribuições penitenciárias da Secretaria de Segurança, criando a Secretaria Estadual da Administração Penitenciária, o deputado estadual e pré-candidato ao goveno, Ratinho Junior (PSD), se posicionou contrá as medidas. Ratinho critica o “aumento de despesas”. Cida, candidata à reeleição, porém, nega que as novas secretarias possam criar novos gastos. Curiosamente, o secretário indicado para a nova pasta do Trabalho é o sindicalista Paulo Rossi, filiado ao PSD, e alinhado a Ratinho. A escolha, porém, teria sido influência do deputado federal Ricardo Barros, marido de Cida, e não sem influência de Ratinho.

Cassação de Alvará
Tito Zeglin (PDT) reapresentou  na Câmara Municipal de Curitibaseu projeto que dispõe sobre a cassação do alvará a quem for flagrado comercializando produtos de origem criminosa. O substitutivo geral acrescenta um inciso ao artigo 197 da lei municipal 11.095/2004, o chamado Código de Posturas do Município, detalhando quais os casos em que a administração municipal poderá cassar o alvará de localização e funcionamento da empresa (005.00006.2018 com substitutivo 031.00022.2018). De acordo com o novo texto, a cassação acontecerá “quando o estabelecimento comercial ou empresa licenciada for flagrado comercializando, adquirindo, transportando, estocando ou revendendo produtos oriundos de ações criminosas como furto, roubo ou outros tipos ilícitos penais”.
Richa equilibrado
O ex-governador Beto Richa afirmou por meio de sua assessoria que somente durante o período de convenções partidárias, que devem ocorrer entre 20 de julho a 5 de agosto, é que definirá qual dos pré-candidatos ao goveno irá apoiar, ele e o partido, para as eleições em outurbro. A reeleição da governadora Cida Broghetti (PP) é o mais cogitado, tendo em vista a aproximação de partidos aliados, embora integrantes do grupo de Richa também sejam próximo do deputado federal Ratinho Junior (PSD), pré-candidato convicto, e ex-secretário de Desenvolvimento Urbano de Ratinho. A jornalista Roseli Abrao registrou em seu blog que o ex-secretário da Agricultura, Norberto Ortigara, que ensaiou uma candidatura a vice de Ratinho, por exemplo, já comanda um comitê de pré-campanha de Ratinho. Outro aliado do ex-governador, Alexandre Lima, que atuou na Cohapar durante seu governo, está  busca voluntários para levar Ratinho ao Palácio Iguaçu.

DESTAQUES DOS EDITORES