Peças são adiadas em São Paulo por causa do avanço da covid

A maior incidência de covid e influenza em São Paulo vem provocando o adiamento ou mesmo o cancelamento de diversas estreias de espetáculos na cidade. Nesta quinta-feira, 13, a produção do musical As Cangaceiras, Guerreiras do Sertão, que reestrearia no sábado, no Tuca, informou uma nova data (21 de janeiro), depois de constatar casos de gripe na equipe.

Ainda nesta quinta, a temporada de O Bailado do Deus Morto foi cancelada depois da constatação de positivados, "mesmo com concentração de futebol", disse a produção em um comunicado. A peça estrearia no Teatro Oficina.

Ao longo desta semana, outros trabalhos mexeram em seu calendário. É o caso de Com os Bolsos Cheios de Pão, com estreia marcada no Sesc Pompeia, e Estudo nº1: Morte e Vida, no Sesc Ipiranga, ambos nesta sexta, 14, e Chroma Key, previsto para o dia 21 no Sesc Avenida Paulista: todas foram adiadas por motivos diversos, inclusive de saúde. Também A Pane, que estrearia no Teatro Faap nesta sexta, foi adiada por uma semana.

Por conta disso, tentando minimizar os problemas, diversas salas de teatro de São Paulo estão retomando o controle de sua capacidade, reduzindo para até 50% de sua lotação máxima, como forma de controle sanitário contra o avanço das variantes da covid.

Espaços como o Sesc, por exemplo, já modificam sua forma de vendas. E a peça Escola de Mulheres estreia neste sábado, 15, com o Teatro Aliança Francesa já limitado a no máximo 50% de sua capacidade total.

A diminuição pela procura na venda online e também o aumento das desistências de ingressos já vendidos também serviram como argumento para a tomada de decisão.

As salas de cinema ainda não decidiram diminuir sua capacidade máxima. Segundo os exibidores, a frequência tem sido baixa, o que ainda não justifica tal atitude.