Publicidade
Economia

Permanência é democrática, dizem entidades

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Fábio Meirelles, da Faesp, confirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que está na presidência da entidade desde 1975, mas disse que são realizadas eleições "em escrutínio secreto, democraticamente, a cada quatro anos". Também negou qualquer suspeita de nepotismo.

A área de comunicação da CNC informou que Antonio Oliveira Santos assumiu a presidência da entidade em 1980 e que as eleições se deram por processos "abertos e democráticos" a cada quatro anos.

Também disse que ele manifestou a decisão de não se candidatar a um novo mandato no pleito a ser realizado em setembro. Santos tem 92 anos.

A assessoria de imprensa da FecomercioSP, comandada por Abram Szajman, disse que são realizadas eleições de "quatro em quatro anos" conforme previsto no estatuto.

A Fecomercio Amazonas informou que "os estatutos são cumpridos rigorosamente" e ocorrem "eleições normalmente". Segundo a assessoria de imprensa, "a experiência mostra que entidades que adotam limite para a reeleição acabando voltando atrás".

As federações do comércio do Maranhão e a federação de Agricultura de Santa Catarina não responderam aos pedidos de entrevista.

Nilson Gibson, presidente da Fetracan, negou enfaticamente que tenha sucedido o pai como uma espécie de "capitania hereditária". Segundo ele, existem cada vez menos empresários dispostos a se dedicar à vida sindical.

Questionado sobre as iniciativas do sindicato do Ceará de assumir a federação, respondeu que "eles perderam a eleição".

DESTAQUES DOS EDITORES