Publicidade
Mistério

Polícia de SP oferece até R$ 50 mil por denúncias do caso Vitória Gabrielly

Polícia de SP oferece até R$ 50 mil por denúncias do caso Vitória Gabrielly
(Foto: Arquivo pessoal)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A SSP (Secretaria de Segurança Pública) de São Paulo anunciou neste sábado (23) que está oferecendo até R$ 50 mil como forma de recompensa para quem forneça informações que ajudem a solucionar a morte de Vitória Gabrielly.

A estudante de 12 anos desapareceu em 8 de junho, em Araçaiguama, interior de São Paulo. O corpo foi localizado oito dias depois, após ter sido asfixiada, segundo laudo preliminar divulgado nesta sexta (22) pela Polícia Civil. 

As denúncias podem ser feitas de três formas: diretamente à autoridade policial competente por email, carta, telefone e/ou pessoalmente, observado o dever de sigilo; via Disque Denúncia, pelo telefone 181; ou pelo Web Denúncia, que conta com dupla criptografia de dados para proteger o anonimato.

Ao final do processo, a pessoa receberá um número de protocolo e uma senha para acompanhar anonimamente o andamento da denúncia. O resgate total ou parcial da recompensa poderá ser feito em qualquer caixa do Banco do Brasil com um número de cartão bancário virtual.

entenda o caso Vitória Gabrielly Guimarães Vaz saiu de casa, em Araçaiguama, no dia 8 de junho para ir a um ginásio de esportes andar de patins com uma amiga da escola, que acabou desistindo do passeio. Imagens de câmera de segurança captaram o momento em que ela parou na esquina da escola onde estudava, que fica no caminho para o ginásio.

Segundo a polícia, testemunhas contaram que a menina foi abordada por um homem que estava em um carro preto, assim que chegou ao ginásio. Entretanto, elas não viram se Vitória entrou no veículo. O carro descrito pelas testemunhas também foi apreendido e passou por perícia, mas nada foi achado nele. O dono do veículo também foi ouvido e liberado.

Uma denúncia anônima levou a polícia a encontrar o corpo da menina no início da tarde de 16 de junho. Um suspeito de envolvimento no caso está preso. O servente de pedreiro Julio Cesar Lima, 24, mora em Mairinque, a 20 quilômetros de Araçariguama. Ele disse à polícia que é usuário de drogas. Os investigadores também chegaram até ele após uma denúncia.

DESTAQUES DOS EDITORES