Publicidade

Policiais civis vão às ruas sem colete e comunicam ocorrências por WhatsApp

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Policiais civis de São Paulo têm saído às ruas sem colete à prova de balas e com munições vencidas, armas que falham e viaturas sem rádio. Em situações de risco, os agentes recorrem aos grupos de WhatsApp —um deles intitulado Nós por Nós.

Equipar melhor as polícias foi promessa de campanha do governador João Doria (PSDB), que chegou a dizer que essa seria uma das suas primeiras medidas quando assumisse o Palácio dos Bandeirantes. O tucano falou em comprar viaturas mais novas, armas mais modernas e até drones.

No entanto, os relatos ouvidos pela reportagem, de agentes da capital, do litoral e do interior do estado, expõem uma rotina de precarização e vulnerabilidade.

"Sair de casa para trabalhar é uma roleta russa", conta Jorge —todos os nomes nesta reportagem foram trocados, já que nenhum dos policiais quis se identificar. Ele diz que a corporação recolheu os coletes balísticos porque estavam vencidos, mas não há reposição.

Agora, quando vai entrar em comunidades, ele diz que vão duas viaturas, ao invés de apenas uma.

Paulo estava com o colete vencido desde o fim do ano passado, mas não entregou. Há um mês, foi cobrado e desde então está trabalhando sem. "Eu preferia o vencido do que nenhum", diz.

Uns compraram por conta própria o colete balístico, que custa em torno de R$ 3.000. "É quase o meu salário", diz Paulo.

Outro policial até conseguiu um novo, mas ao invés do P, seu número, recebeu um colete GG. A corporação diz que está efetuando a troca. "Enquanto isso, 'tô' carregando ele. É muito grande, não cabe no meu corpo. Uso só em circunstâncias extremas", conta Marcelo.

São 12 mil policiais hoje sem colete —quase metade do total de 25 mil agentes. O número foi enviado ao Sindpesp (Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado) pela delegacia-geral de Polícia Civil.

Para a presidente do sindicato, a delegada Raquel Kobashi Gallinati, "é inadmissível que, no estado mais rico da federação, milhares de policiais cumpram mandados de prisão ou participem de operações contra o tráfico sem a mínima segurança", afirma. "A vida daqueles que protegem a sociedade está à mercê da sorte."

A data da munição na mão dos policiais varia. Uns usam a mesma há um ano, outros, há quatro. Alguns relatam fabricação de 2014. "Já pedi nova três vezes, mas dizem que não tem para repor", conta Paulo.

Segundo a CBC (Companhia Brasileira de Cartuchos), munições expostas à variação de umidade e temperatura, como acontece com o uso diário pelos policiais, têm prazo de validade de seis meses. Ultrapassar o limite compromete o desempenho da bala, que pode falhar.

Para driblar este risco, Jorge pediu ajuda a colegas atiradores e caçadores —até então, quem tinha porte de arma para treinar e caçar podia comprar 50 cartuchos por ano; com o novo decreto do presidente Jair Bolsonaro, os CACs (colecionadores, atiradores e caçadores) não têm mais limites para a compra de munição, podendo adquirir quantas quiser.

"Eles me emprestaram balas que eles compraram para eu poder trabalhar", diz o agente.

Os policiais também se queixam da arma à disposição. Um dos modelos é a PT 840, da Taurus. Segundo eles, quando exposta a atividade intensa (mais de 50 tiros) a pistola costuma falhar.

Com um dos agentes, o defeito foi num estande de tiros. Mas com Jorge foi durante uma operação em que a pistola da Taurus simplesmente parou de atirar —a empresa tem quase o monopólio sobre a venda de armamento no país; outra mudança do decreto presidencial será facilitar a importação de armas estrangeiras.

Depois do episódio, o policial comprou uma Glock, arma de origem austríaca, em que sente mais confiança. Parcelou em 12 vezes os R$ 7.000. "Foi para poder me defender. No nosso dia a dia ou você sobrevive ou não", diz.

Nas viaturas que têm rádio, o equipamento não é lá essas coisas, eles dizem. Mas a maioria não tem. A solução está sendo substituir pelo aplicativo de mensagens. "Às vezes, o WhatsApp é mais rápido do que se pedir apoio pelo rádio, já que os policiais ficam olhando o celular. O grupo foi criado para a gente se ajudar", diz Lucas.

O sucateamento das delegacias é outra reclamação frequente. Agentes dizem que falta desde bebedouro até papel higiênico.

Também reclamam da dupla função. "Você é investigador, carcereiro e escrivão ao mesmo tempo", afirma o presidente do Sipesp (Sindicato dos Investigadores de Polícia do Estado), João Rebouças.

A corporação recebe um dos salários mais baixos do país, aponta Rebouças —o reajuste foi outra promessa de Doria; o governador disse que as polícias paulistas teriam a melhor remuneração entre os estados.

O presidente do sindicato compara a corporação com a Polícia Militar. "É muito mais aparelhada, todo policial tem colete, mas a verba não deixa comprar para a Civil, porque não há interesse do Estado", diz.

Recém-eleito, o delegado da Polícia Civil agora deputado estadual Bruno Lima (PSL-SP) diz que tem cobrado de Doria as melhorias, mas afirma que até o momento nada de concreto foi feito.

Para 2019, a Secretaria de Segurança Pública tem orçamento de R$ 22 bilhões. Em nota, a pasta admite que a quantidade e qualidade dos equipamentos podem melhorar e diz que estão sendo feitas licitações para compra de 250 novas viaturas, 8.293 coletes balísticos e 3.740 pistolas. Não há informação sobre a compra de munições e, mesmo com a licitação dos coletes, 3.783 agentes ainda ficarão sem o equipamento.

A secretaria também afirma que foi iniciado um programa para reforma das delegacias e que está em andamento um concurso para contratação de 2.750 novos agentes para suprir o déficit que tem gerado a dupla função. Quanto aos salários, a pasta diz que aumentarão ao longo dos quatro anos de mandato de Doria.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES