Publicidade
Busca por emprego

Português reprova 50% nos processos seletivos

(Foto: Reprodução)

A língua portuguesa se tornou a grande vilã na busca por uma vaga no mercado de trabalho. Isso foi constatado em uma pesquisa feita pelo Nube - Núcleo Brasileiro de Estágios com 9.149 participantes. Eles realizaram um ditado com 30 palavras cotidianas. Caso houvesse mais de sete deslizes, ocorria a eliminação. O aumento de reprovados chamou a atenção dos selecionadores.

A maioria, 50,3%, apresentou um desempenho abaixo do permitido na avaliação, contra 49,7% de aprovados. Para Helenice Resende, recrutadora, o domínio das habilidades linguísticas é cada vez mais cobrado em entrevistas. “Uma das competências básicas exigidas pelas empresas é a comunicação. Para o colaborador conseguir dialogar corretamente com seus colegas e clientes, gerenciar negociações ou transmitir informações com clareza, é preciso entender bem as principais regras existentes no nosso idioma nativo”, afirma.

O número de pessoas com resultados negativos aumentou. No estudo efetuado em 2017, foram 46% desclassificados, contra 54% bem-sucedidos. O intuito da análise, segundo a recrutadora, é “identificar os principais motivos da desclassificação de candidatos e, com isso, auxiliá-los na compreensão dos pontos de melhoria”, conta. Estudantes do ensino médio técnico e regular tiveram os níveis mais altos de erros, com 55,9% e 52,9%, respectivamente. Os melhores índices ficaram com quem já cursa uma pós-graduação, com somente 16,7% eliminados. Os universitários foram a camada com mais participantes: representam 73% do estudo e tiveram 49,5% de reprovação.

Os alunos de Rádio e TV disparam com a performance mais baixa. Ao todo, 74,2% dos graduandos da área não conseguiram passar no teste. Em segundo lugar, com 62,5%, aparece Biomedicina. Na sequência, temos Administração (57%), Direito (54%) e Publicidade (50,4%). Em contrapartida, Engenharia de Produção e Letras ocupam primeiro e segundo lugares no ranking dos números mais satisfatórios, com 89,1% e 83,3% de aprovação, respectivamente. O top 5 é composto ainda por Psicologia (73,9%), Engenharia de Computação (71,7%) e Ciência da Computação (71%).

De acordo com Helenice, independentemente da área de atuação, essa habilidade é imprescindível. “O domínio do português é exigido para todos os cargos. Mesmo em ambientes onde a comunicação é pouco utilizada, clareza, coesão, objetividade e coerência são essenciais”, alerta Helenice.

Segundo dados do IBGE - (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o desemprego entre quem tem entre 18 e 24 anos é de 25,2%, enquanto para a população geral a taxa é de 12,4%. Desse modo, para evitar a desocupação, é fundamental se atentar a esse aspecto. “Para melhorar seu nível de conhecimento gramatical, o primeiro passo é identificar essa necessidade. Muitos não percebem suas defasagens e, por isso, não compreendem o motivo da desclassificação”, ressalta.

Atualmente, os testes são feitos on-line. Mesmo assim, os candidatos escorregam e têm um baixo desempenho. A recrutadora orienta: “leia livros, revistas e jornais com frequência. Fique atento quanto ao acesso exagerado a conteúdos informais, como os das redes sociais, pois podem confundir o leitor. Além disso, quando visualizar ou ouvir uma palavra nova, pesquise, pois isso contribuirá para o enriquecimento do seu vocabulário”. Para ela, também é válido desativar o corretor ortográfico automático, comum nos smartphones e procurar cursos, aplicativos ou jogos voltados ao aprimoramento das suas capacidades linguísticas.


Quatro coisas que não podem estar no currículo

Dados de contatos desatualizados (74%)
Ocupando a área mais nobre do currículo, o cabeçalho com os dados pessoais do candidato ocupa a base superior do documento e contém os principais meios de contato entre o recrutador e o profissional. Mesmo que pareça óbvio, é muito comum o entrevistador receber documentos com e-mail, endereço e número de telefone desatualizados. Não é à toa que o item ocupa o 1º lugar no ranking. Sem dados de contato, sem chances de contratação.

Fotos inadequadas (70%)
Uma grande dúvida na hora de enviar o currículo é: colocar ou não uma foto? Bem, a resposta é simples. Se a empresa não solicitou o envio, não colocar é a melhor opção, afinal de contas, o objetivo do documento é destacar as qualificações profissionais do candidato. Algumas áreas em específico veem como diferencial o uso da foto. Nesses casos, dê preferência a fotos sóbrias, em formato 3x4, com fundo neutro. E claro, em boa qualidade.

Número de documentos como CPF, RG e CNH (40%)
RG, CPF, CNH, título de eleitor, dentre outros documentos, não são necessários no preenchimento de um currículo. Normalmente só há necessidade desses dados no momento da contratação e não previamente. Logo, não se deve confundir a área de recrutamento de uma empresa com Departamento Pessoal. Além disso, vale ressaltar a importância de se manter em sigilo esses dados pessoais, que em currículo, pode cair em mãos de diversas pessoas.

Características pessoais (21%)
Ambicioso, perfeccionista, dinâmico, dedicado, essas e outras caraterísticas pessoais, muitas vezes, não convencem o recrutador. Busque sempre priorizar informações objetivas, tais como experiência, resultados alcançados e projetos liderados. E claro, aproveite o momento de contato da entrevista para potencializar as habilidades profissionais.

Fonte: Catho

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES