Publicidade
Amar é

Prefeitura lança nova campanha de prevenção ao HIV e ISTs

A Prefeitura lançou, na terça-feira (18/12), uma nova campanha de prevenção ao HIV (vírus causador da Aids) e Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs). Desenvolvida pela Secretaria da Comunicação Social, a campanha “Amar é” aborda diversos cuidados em relação às ISTs e ao HIV.  A nova campanha tem foco nos jovens, sobretudo LGBTs.

O lançamento foi durante o KPI Debate promovido pelo grupo Capivara Esporte Clube e a Assessoria das Políticas da Diversidade Sexual da Prefeitura de Curitiba. O encontro aconteceu no auditório do setor de Orgânicos do Mercado Municipal de Curitiba e teve apoio da Secretaria Municipal da Saúde. Cerca de 50 pessoas participaram do debate.

A estratégia da campanha “Amar é” é intensificar a prevenção e acolher as pessoas vivendo com o HIV, para que realizem os cuidados e tratamentos importantes no enfrentamento da Aids e do HIV.

Debate

Além do lançamento da campanha, o tema da noite do debate foi a prevenção ao HIV (vírus causador da Aids) e outras infecções sexualmente transmissíveis. Conforme o último boletim epidemiológico, divulgado no início de dezembro pelo setor de Epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde, apesar da diminuição dos novos casos, 969 novos registros de infecção pelo HIV foram detectados no ano passado.

O mesmo boletim aponta ainda que 120 pessoas morrem na cidade por ano em decorrência a complicações da Aids, por não fazerem o tratamento corretamente.

Segundo o assessor das Políticas da Diversidade Sexual, Allan Johan, é preciso falar mais sobre o tema e não esquecer da prevenção. “Hoje, Curitiba tem um dos melhores programas de prevenção e tratamento, graças a nossa competente equipe da Saúde e das ONGs”, disse.

Para ele, no entanto, ainda é preciso ampliar as ações. “Temos que avançar ainda mais. Precisamos envolver a população, sobretudo os jovens e as pessoas vivendo com o HIV, para não perdemos espaço para a epidemia”, explicou Johan. Para o assessor, toda a população deve abordar o tema sem preconceitos, pois a ignorância pode ser fatal.

Durante o debate, diversos atletas do grupo LGBT deram depoimento e opiniões sobre os assuntos abordados que foram desde o uso dos novos tratamentos, casais sorodiscordantes (quando um é soropositivo), por exemplo.

DESTAQUES DOS EDITORES