Publicidade
Política

PT pede que autoridades se expliquem ao Congresso sobre caso Lula

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Parlamentares do PT protocolaram nesta quarta-feira (15) requerimentos para que o Congresso cobre explicações de autoridades que, segundo eles, teriam cometido abuso de poder contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Os documentos pedem convocação, convite ou informações da Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, do ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, do presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, desembargador Thompson Flores, e do diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro.

Os requerimentos não têm efeito prático imediato e dependem de aprovação do plenário do Senado e da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara para terem validade.

Por conta do período eleitoral, porém, Câmara e Senado reduziram as atividades e não têm feito sessões. Uma semana de esforço concentrado para votações está prevista apenas para o fim deste mês, mas não há garantia de que os requerimentos serão votados.

Os pedidos usam como base entrevista concedida por Galloro ao jornal Estado de S Paulo, na qual detalhou as negociações para a prisão do ex-presidente e os bastidores da ordem de soltura de Lula, que acabou não sendo efetivada.

Os pedidos foram apresentados pela presidente PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) e os deputados Paulo Pimenta (PT-RS) e Wadih Damous (PT-RJ).

A apresentação foi feita no dia em que o partido vai registrar no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) a candidatura de Lula à Presidência da República.

O ex-presidente está preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba após ser condenado em segunda instância por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá (SP).

"Não há nada aqui de interferência de Poderes, antes que alguém diga que nós queremos intervir no processo judicial", afirmou Gleisi.

Para Pimenta, as autoridades atuaram de forma conjunta para evitar que o ex-presidente Lula fosse liberado da prisão.

"Estamos diante de uma ação de uma quadrilha que atuou e tem atuado para que Lula continue como preso político", disse.

DESTAQUES DOS EDITORES