Publicidade
Ação Social

Quase metade dos moradores de rua aceitam acolhimento em Curitiba

Desde o início do ano, Prefeitura fez 12.931 abordagens nas ruas da cidade e 6 mil aceitaram encaminhamento
Quase metade dos moradores de rua aceitam acolhimento em Curitiba
Equipe da Fas em atendimento no Centro de Curitiba (Foto: Ricardo Marajó/FAS)

Desde o dia 1º de janeiro deste ano, a Prefeitura de Curitiba fez 12.931 abordagens sociais a pessoas em situação de rua. Com o fortalecimento do trabalho da Fundação de Ação Social (FAS), o número foi maior que no mesmo período de 2017, quando houve 8.502 abordagens (foram 4.429 a mais neste ano). Em 2018, quase 6.000 pessoas aceitaram ser encaminhadas aos serviços de acolhimento e 4.553 se recusaram a conversar com as equipes do Centro de Abordagem 24 Horas da FAS.
Em 2.431 casos, as pessoas não aceitaram acolhimento, mas receberam informações sobre os serviços que podem acessar. As equipes atenderam ainda 2.640 chamados da população à Central 156, mas não encontraram ninguém nos locais indicados.
A maioria das abordagens sociais é feita com base em chamados feitos à Central 156. Mas para ampliar o atendimento, principalmente nos dias mais frios, educadores sociais da FAS percorrem as ruas da cidade à procura de pessoas que estão em situação de rua, com o objetivo de evitar riscos e a possibilidade de hipotermia.
De janeiro a maio, foram feitas 3.078 abordagens sociais nesta modalidade (busca ativa), sendo que em 1.510 casos as pessoas aceitaram acolhimento.
Com a chegada do frio, a Prefeitura desenvolve, desde 15 de maio, a Ação Inverno – Curitiba que Acolhe. Segundo a diretora de Atenção à População em Situação de Rua, Maria Alice Erthal, a ação, feita pelo segundo ano consecutivo, intensifica o atendimento às pessoas em situação de rua, principalmente nos dias em que as temperaturas caem para menos de 7 graus.
Atualmente, a Prefeitura conta com 1.200 vagas de acolhimento para homens e mulheres em situação de rua. Elas estão distribuídas em 17 unidades, oficiais e conveniadas, onde eles podem se alimentar, fazer higiene e dormir. Para garantir que ninguém passe frio, são oferecidos agasalhos e calçados doados pela população pelo Disque Solidariedade.
Para facilitar o dia a dia, a FAS oferece ainda dois guarda-pertences, no Centro, para atendimento à população em situação de rua, em trânsito ou não pela cidade. Eles ficam nas ruas Dr. Faivre, 1.212, com capacidade para 120 volumes por dia, e na Avenida Visconde de Guarapuava, 2674, com capacidade para 48 volumes. 

DESTAQUES DOS EDITORES