Publicidade
Semana Nacional do Trânsito

Quem é mais rápido: a bicicleta, o carro ou o ônibus? Desafio acontece na quarta-feira

Quem é mais rápido: a bicicleta, o carro ou o ônibus? Desafio acontece na quarta-feira
(Foto: Cesar Brustolin/SMCS)

O Desafio Intermodal de Curitiba 2018 acontecerá no dia 19 de setembro (quarta- feira) e reunirá diversos modais de transporte para avaliar qual a forma mais eficiente de se locomover por Curitiba no horário de pico, entre 18h e 19h. O evento é organizado pelo Programa Ciclovida da Universidade Federal do Paraná (UFPR) com o apoio do Institutos Lactec,  Detran-PR, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Cicloiguaçu, Federação Paranaense de Ciclismo, e dos projetos de extensão Ciência para Todos e Colabbici também da UFPR.

O Desafio consiste em uma comparação de desempenho entre os diferentes modais , saindo às 18h do Centro Politécnico da UFPR e terminando no Prédio Histórico da Universidade, na Praça Santos Andrade. Os desafiantes podem escolher o caminho que  julgarem melhor, mas devem passar por um ponto intermediário, o Escritório Verde da UTFPR, antes de seguirem para o ponto final.

O objetivo do Desafio é verificar, em um percurso de aproximadamente dez  quilômetros, qual o meio de transporte mais eficiente para se deslocar no horário de pico  em um grande centro urbano, levando em consideração três quesitos de avaliação: tempo de deslocamento, custos para o usuário e emissão de poluentes. Os dados, coletados ao longo do percurso, resultarão em médias, que indicarão o modal mais eficiente.

O desafio contará com a utilização do B1K3 Lab, um protótipo de laboratório móvel  sobre rodas para monitoramento de parâmetros ambientais e comportamento do trânsito, com particular interesse no ciclista. Desenvolvido por um grupo de alunos de diversos cursos da UFPR, integrantes do projeto de extensão Ciência Para Todos, o B1K3 Lab é equipado com um conjunto de sensores capazes de coletar e processar diversos dados sobre o ambiente no qual o ciclista circulará, como análise de gases poluentes, além de  dados sobre o comportamento do trânsito no trajeto, especialmente a distância de  ultrapassagem dos motoristas aos ciclistas. Através de um GPS, o equipamento georreferencia todos os dados coletados – ou seja, aponta no mapa da cidade a posição  exata da coleta dos dados. O projeto pretende gerar uma base de dados para ser utilizada  no planejamento urbano, a fim de melhorar a qualidade do transporte e a qualidade de  vida da população em geral.

Ao final do Desafio os participantes respondem um questionário sobre a experiência, avaliando pontos sobre a infraestrutura urbana, como ciclovias, iluminação pública, sinalização, calçadas, pontos de maior congestionamento e educação no trânsito. Com os dados coletados poderão ser realizadas pesquisas relacionadas aos efeitos dos índices na saúde do usuário e da população local. Além disso, com os dados do B1K3 Lab será possível traçar a rota mais  segura ou menos poluída a partir da base de dados que se pretende elaborar.

Esta é a quinta edição em que os participantes do Desafio Intermodal são  monitorados em tempo real. Dessa vez, o monitoramento será por um aplicativo de celular, desenvolvido pelos alunos do Ciência para Todos especialmente para o evento. Cada participante carregará um aparelho celular com o aplicativo, que irá transmitir em tempo real a localização dos  participantes para um monitor no ponto final. Os dados são enviados a um servidor localizado na sede do projeto, no Núcleo de Pesquisa e  Desenvolvimento de Energias Sustentáveis. Os desenvolvedores da  plataforma estarão  presentes nos pontos de partida e de chegada do evento tirando dúvidas dos participantes e exibindo o funcionamento em tempo real do aplicativo. Será possível  companhar os diferentes modais, entre eles: pedestre, corredor, bicicleta, carro, motocicleta e ônibus; além da participação de portadores de deficiência física.

DESTAQUES DOS EDITORES