Contabilidade Fácil

Redução dos Riscos com a Minimização de Custos Fixos na Fase Inicial de Negócios

Em um artigo anterior, falamos sobre o potencial de aumentos nos níveis de lucros quando a empresa tem maior Grau de Alavancagem Operacional (GAO). 

Quanto maior a proporção de gastos fixos em relação aos gastos variáveis, maior será o GAO, por consequência, maior o risco de negócio.

Considerando que o GAO é uma alavanca, funciona tanto para cima como para baixo. Se as vendas aumentam, o GAO empurra o lucro para cima, se as vendas caem, o GAO empurra as vendas para baixo.

Novos negócios, ainda em fase de entrada no mercado, geralmente não têm a estrutura para fazer frente a riscos econômicos e podem entrar em colapso por causa de um GAO elevado, ou seja, um excesso de custos fixos.

O novo empreendedor pode tomar algumas medidas para transformar alguns gastos fixos em variáveis, dessa forma, reduzindo o risco:

-  Remunerar colaboradores à base de comissões ao invés de salários fixos;

-  A terceirização de serviços pode fazer frente à necessidade de criar uma estrutura própria na empresa.

É prudente que primeiramente se obtenha um bom nível de vendas utilizando serviços de terceiros, e quando o volume de vendas se justificar, aí sim montar as próprias instalações. Obviamente, em decorrência de características específicas de alguns empreendimentos, esse procedimento nem sempre é viável, mas na medida em que essa prática seja possível, recomenda-se o subcontrato de serviços de terceiros para minimizar o risco econômico em fase inicial do negócio.

Ao remunerar colaboradores e/ou serviços de terceiros de forma variável, na proporção do nível de vendas, o empreendedor consegue equalizar os gastos com os ganhos, reduzindo consideravelmente seu risco econômico do negócio.

 

Ester Marlene Kurtz é Mestre em Contabilidade pela UFPR, professora na Faculdade Estácio de Curitiba.

Contatos: E-mail:ester.kurtz@estacio.br