Publicidade
Título internacional

Retrospectiva: Atlético transforma 2018 em ano de glória e salto para o futuro

Tiago Nunes ergue o trof\u00e9u da Copa Sul-Americana
Tiago Nunes ergue o trof\u00e9u da Copa Sul-Americana (Foto: Franklin de Freitas)

Fundado em 1924, o Atlético Paranaense passa a ter dois grandes anos na sua história: 2001 e 2018. O ano de 2001 entrou para história pelo primeiro título do clube na primeira divisão do Campeonato Brasileiro. E 2018 fica gravado na memória do futebol como o ano do primeiro título internacional do Furacão. 

A conquista internacional promete levar o clube para um salto para o futuro, acompanhado de outras mudanças. Em dezembro, a diretoria anunciou alterações ousadas, trocando a grafia do nome para Club Athletico Paranaense, modernizando o escudo e lançando um novo mascote — a chamada Família Furacão.

As novidades, é claro, provocaram polêmicas. Ganharam apoio de uma parte da torcida, mas foram duramente criticada por muitos. Em todo caso, a reforma ajudou a alavancar ainda mais o nome do clube no cenário internacional. 

Desde 1995, as decisões ousadas da diretoria quase sempre provocaram esse feito. Outra dessas medidas arrojadas foi usar apenas o time sub-23 no Campeonato Paranaense. Algo que virou quase uma regra desde 2013. E que agora, em 2018, trouxe resultados incontestáveis.

Graças ao sub-23, o Atlético descobriu o talento do técnico Tiago Nunes e revelou para o futebol os fenomenais Renan Lodi e Bruno Guimarães. 

Tiago Nunes começou 2018 como técnico do sub-23, dirigindos os novatos no Paranaense. Enquanto isso, o elenco principal era comandado pelo coordenador técnico geral do departamento de futebol, o treinador Fernando Diniz. 

Diniz começou bem o ano, com grandes atuações contra Chapecoense no Brasileirão, contra Newell´s Old Boys na Sul-Americana e contra São Paulo na Copa do Brasil. No entanto, o treinador perdeu o apoio da maioria dos jogadores, sofreu cinco derrotas seguidas em junho e viu o time desmoronar em campo. Acabou demitido em 25 de junho, durante a pausa para a Copa do Mundo, após 21 jogos. 

Nesse período, Tiago Nunes deitou e rolou com o sub-23. Mesmo enfrentando equipes principais, conquistou o tíulo do Paranaense (foi o 24º da história do clube) e deixou boa impressão pelo desempenho tático moderno e consistente. 

A escolha de Tiago Nunes foi natural para substituir Diniz na equipe principal. A partir de julho, o Atlético decolou no Brasileirão, deixando a lanterna e subindo rapidamente na tabela. No fim, quase conquistou uma vaga na Libertadores 2019 pela Série A – faltaram dois pontos para o 6º lugar, posição que renderia vaga na competição continental.  

Na Sul-Americana, Tiago Nunes levou o Furacão até o título, passando por Peñarol, Caracas, Bahia, Fluminense e Junior Barranquilla.

clique na imagem para ver o PDF

DESTAQUES DOS EDITORES