Publicidade
Política em Debate

Sem chance

Sem chance

O PSB do Paraná descarta entregar a presidência estadual do partido ao ex-senador Osmar Dias (PDT), em troca de sua filiação como pré-candidato ao governo pela sigla. A exigência foi apresentada por Osmar em entrevista recente, como condição para migrar para o PSB. A legenda é presidida há nos por Severino Araújo.

Confiança
Isso é inviável. O partido tem diretório regional. O Severino é o presidente e tem nossa integral confiança. Essa possibilidade está descartada, garante o líder do governo Beto Richa na Assembleia, deputado estadual Luiz Cláudio Romanelli (PSB), um dos articuladores da tentativa de atrair Osmar Dias para a legenda. A justificativa de Osmar é que só com a presidência ele teria condições de comandar o processo de negociação de alianças na formação da chapa para a disputa estadual.

De saída
Apesar do suspense, a renúncia do governador Beto Richa (PSDB) para disputar uma vaga no Senado já é dada como certa no Centro Cívico. Prefeitos da confiança de Richa já vem sendo chamados a conversar pelo governador nos últimos dias. Na pauta da conversa, o apoio às pré-candidaturas de seu filho, Marcello Richa (PSDB) a deputado estadual, e a seu irmão, José ‘Pepe’ Richa Filho, a deputado federal.

Impedimento
Caso o governador optasse por não renunciar para não concorrer ao Senado, permanecendo no comando do governo até o final do mandato, ambos estariam impedidos de disputar a eleição por força da lei eleitoral. Richa tem até 7 de abril para se desincompatibilizar do cargo para se candidatar às eleições de outubro. Caso a renúncia se confirme, assume o governo por nove meses a vice-governadora Cida Borghetti (PP), pré-candidata à sucessão estadual.

Vaquinha
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) criou, em seu portal na Internet, um espaço com orientações e requisitos às entidades que tenham interesse na prestação de serviços de arrecadação de recursos para as Eleições 2018 por meio da modalidade de financiamento coletivo. Essas empresas deverão solicitar sua habilitação ao TSE a partir de 30 de abril, por meio de preenchimento de formulário eletrônico que estará disponível oportunamente no mesmo ambiente.

Dúvidas
A ideia da página é facilitar o entendimento das entidades interessadas para minimizar dúvidas e problemas na hora da habilitação. Além disso, foi criado um espaço de perguntas frequentes relacionadas ao tema. O financiamento coletivo de campanha eleitoral é uma modalidade de arrecadação de recursos e foi introduzido no processo eleitoral após a Reforma Eleitoral de 2017.

TV Assembleia
A Assembleia promove amanha a licitação para a contratação da empresa de produção de conteúdos e transmissões ao vivo para a TV. O edital prevê um custo mensal máximo de até R$ 492.419,03. Atualmente, o Legislativo estadual paga R$ 416.736,50 ao mês por este trabalho.

Defasagem
A empresa a ser contratada deverá substituir integralmente os atuais equipamentos da emissora, defasados e desatualizados. O contrato prevê a transmissão das sessões, divulgação das reuniões das comissões técnicas, as audiências públicas e solenidades, além da cobertura e a produção de programas, entrevistas e reportagens especiais de caráter cultural e educacional, entre outras.

 

DESTAQUES DOS EDITORES