Publicidade
'Furando' a quarentena

Isolamento? Semana começa com movimento e alguns comércios abertos em Curitiba

Movimento em rua no Sítio Cercado: semelhante a um dia normal
Movimento em rua no Sítio Cercado: semelhante a um dia normal (Foto: Franklin de Freitas)

Depois de mais de uma semana de sde que Prefeitura e Governo do Estado suspenderam serviços e atividades não essenciais, alguns comércios abriram por conta, nesta segunda-feira (30), especialmente na periferia de Curitiba. Internautas reclamaram de lojas que estariam “furando” a recomendação de isolamento, e abriram as portas. Eram óticas, lojas de móveis, eletrônicos, entre outras.

No Sítio Cercado, ruas comerciais tinham mais movimento de veículos e lojas não relacionadas na lista de essenciais estavam atendendo. Na Rua Toaldo Túlio, no São Braz, a mesma reclamação. Até mesmo na região Central moradores “denunciavam” e até fotografaram lojas abertas na Rua 24 de Maio, com lojas de eletrônicos abertas.

De tarde, durante a coletiva para divulgar o boletim do coronavírus, a secretária Municipal da Saúde, Márcia Huçulak, reforçou o decreto que suspendia as atividades não essenciais. “Mantemos todas as orientações de isolamento. Isolamento é isolamento”, disse a secretária.

Na semana passada, alguns empresários de Curitiba realizaram carreatas pela cidade pedindo o “afrouxamento” dos decretos, para que o comércio voltasse a abrir. O ato veio depois que o presidente Jair Bolsonaro se colocou contra o isolamento geral decretado pelos estados.

Procurada, a Prefeitura de Curitiba lembrou que o decreto municipal tem desde a “recomendação” para serviços e atividades até a “proibição” de funcionamento, conforme a característica de cada setor. “ As penalizações para os serviços expressamente vetados são as previstas em lei (como possibilidade de multas, interdições etc)”.

A Prefeitura também disse que a resposta da população tem sido muito boa até o momento no respeito ao decreto, com a maioria aderindo ao isolamento voluntário, mas que denúncias e reclamações podem ser feitas pela Central 156.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES