Publicidade
Transporte público

Tarifa técnica Curitiba sobe para R$ 4,79; prefeitura afirma que não há previsão de aumento da passagem

A tarifa técnica de Curitiba irá subir de R$ 4,71 para R$ 4,79, segundo o novo reajuste foi publicado em Diário Oficial do Município desta sexta-feira, 15. Ainda conforme a publicação, a resolução tem efeitos retroativos desde o dia 1º de janeiro de 2019. 

O reajuste tem como justificativa o fim da isenção no Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o óleo diesel, que era concedido pelo Governo do Estado desde 2013. O contrato de isenção, assinado em dezembro de 2017, teminou em dezembro de 2018. Como não houve a renovação, o valor será repassado às empresas.

O prefeito Rafael Greca (PMN) e o governador Ratinho Júnior (PSD) discutem alternativas para as planilhas do transporte coletivo desde o início do ano, mas um aumento no preço da passagem poderá ocorrer para equilibrar os custos dos sistema. “Um reajuste na passagem, por causa da desoneração do óleo diesel e o aumento dos custos, vai acabar acontecendo. Mas nós vamos trabalhar intensamente para que ele seja o menor possível”, declarou Greca após o último encontro para discutir o tema, ocorrido no dia 22 de janeiro.

A possibilidade de renovação da isenção sobre o óleo diesel ainda não está descartada e deve ser discutida pelo governo do estado ainda em fevereiro. O usuário do transporte coletivo paga um valor de R$ 4,25. Segundo a Prefeitura de Curitiba, ainda não há previsão para que o valor aumente. O prefeito Rafael Greca (PMN), porém, já admitiu que a permanência do valor depende da negociação com o governo sobre o subsídio, que ainda está sem definição.

Em nota, a administração municipal informou que a diferença é referente à correção do subsídio do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que foi retirado a partir de janeiro. Isso levou ao aumento do custo desse item na planilha de custos do sistema.

Ainda conforme a prefeitura, a tarifa técnica faz parte do contrato de concessão dos ônibus e leva em conta o custo do transporte, dividido pelo número de passageiros pagantes.

DESTAQUES DOS EDITORES