Brasileirão

Técnico do Paraná explica e elogia o 3-4-3 de Fernando Diniz

Micale
Micale (Foto: Geraldo Bubniak)

O técnico do Paraná Clube, Rogério Micale, comentou sobre o estilo de jogo do adversário de domingo (dia 27), o Atlético Paranaense, em entrevista coletiva nessa sexta-feira (dia 25). Ele e Fernando Diniz, treinador do Furacão, são amigos há alguns anos. 

Em 2016, na última entrevita coletiva antes da final contra a Alemanha, nas Olimpíadas, Micale recebeu um telefonema de Diniz e falou sobre o caso. Na época, o técnico do Paraná comandava a seleção brasileira olímpica. Esse episódio foi narrado pelo site Lance.

Nessa sexta-feira, Micale respondeu sobre o estilo Diniz de jogo. “Eu admiro pela coragem, por que o nosso futebol é muito resistente a mudanças, à posturas. O futebol é como qualquer outra situação em nossas vidas em que há uma evolução. O aparelho celular, há 20 anos, a gente usava o PT 550 da Motorola. Servia até como uma arma, de tão pesado que era. Ele só servia para falar. E você pagava a chamada que recebia e a que você fazia. Hoje temos um aparelho celular em que o que você faz menos é falar nele. Você está conectado ao mundo nele. Se tudo muda, se tudo avança, por que o futebol não vai acompanhar isso?”, declarou o técnico do Paraná.

Micale explicou o sistema de jogo do adversário. “O Diniz vem com esse novo formato de jogo e é tratado como um Professor Pardal, um inventor, o que quer que seja. Nada. Ele tá fazendo um futebol que é uma linha de três, um 3-4-3 na posse da bola, com movimentações, rotatividade do lado da bola tentando superioridade numérica no lugar em que a bola estiver. Então assim: para quem é do futebol, sabe que é um modelo interessante, até para contrapor o modelo que se usa atualmente, o 4-2-3-1, que é o disseminado. Todo sistema vem pra contrapor algo e não existe sistema perfeito: existe o sistema que funciona em detrimento a um outro”, comentou. “Eu dou parabéns para o Diniz, só que um modelo de jogo em que é preciso dominar seu adversário requer tempo. É diferente do modelo reativo, que a maioria dos times no Brasil utilizam. Ele tá tentando fazer isso, ele vai ser pressionado, e eu espero que ele não se recupere nesse jogo. Que continue a pressão do lado de lá”, concluiu.