Publicidade
Série B

Técnico e jogadores do Coritiba tentam explicar fiasco em Criciúma

Rodrigão: "O time tem que amadurecer"
Rodrigão: "O time tem que amadurecer" (Foto: Divulgação/Coritiba)

O técnico Umberto Louzer e jogadores do Coritiba tentaram explicar o desempenho pífio em Criciúma na última terça-feira (dia 9), na derrota para o time do Interior de Santa Catarina, pela 9ª rodada da Série B.

Louzer falou em passividade. O centroavante Rodrigão citou falta de maturidade. E o meia Juan Alano preferiu destacar um aspecto positivo, contrariando os números da partida.

As estatísticas retratam que o desempenho do Coxa contra o Criciúma foi um verdadeiro fiasco. O time paranaense teve 36% de posse de bola, errou 27% dos passes e só finalizou seis vezes. A equipe catarinense somou 22 finalizações e só errou 14% dos passes.

Mesmo assim, Juan Alano afirmou que a equipe só cometeu uma desatenção durante o jogo. “A gente conseguiu marcar bem o jogo todo. A unica desatenção foi a fatilidade no final do jogo. Tem que concentrar do início o fim. Aquela frase: 'o jogo só acaba quando termina'. Agora é lamentar. A gente quer subir. A gente sai triste daqui”, declarou, para a rádio Transamérica, ainda no gramado do Estádio Heriberto Hulse, na terça-feira.

O técnico Umberto Louzer citou a postura passiva dos jogadores no início da partida como um dos problemas. “A gente trabalhou justamente isso. A gente foi passivo. Não conseguimos encaixe de marcação no primeiro tempo. No final do primeiro tempo que conseguimos incomodar o adversário, criar algumas jogadas”, disse, para a Transamérica e a rádio Banda B. “Não fomos eficientes para matar o jogo, permitimos o avanço do adversário e sofremos gols com falhas. A todo momento a gente pedia e orientava para sair de trás. Aceitamos o jogo do adversário e fomos punidos”, analisou o treinador.

Rodrigão acredita que faltou maturidade aos jogadores. “Acontece, mas tem que aprender. Porque isso já aconteceu. O time tem que amadurecer. Tem que começar amadurecer. Não é o primeiro gol que a gente toma no fim. É como o Luxemburgo falou: no fim de jogo fura a bola”, afirmou.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES